39215  ACESSOS

CRÔNICA

 

MULHERES DO SÉCULO XXI

Homens dizem que somos banais, outros que somos todas iguais,
Alguns dizem que somos complicadas,outros que somos exageradas,
Não nos julgue pela aparência, apenas nos escute com paciência.

Sim nós fazemos regime, ganhar algumas gramas é um crime.
Nós usamos a chapinha,mas isso não é motivo para gracinhas.
Não ficamos sem nos maquiar, mas é para você de boca aberta ficar.

Adoramos receber uma flor, nos derretemos com declarações de amor.
Queremos sempre ser beijadas, coisas de mulheres apaixonadas.
Não tente nos enganar,queremos homens sinceros para nos casar.

Usamos saia curta, mas o namorado sempre surta.
Adoramos sapatos e uma bolsa, queremos ser a mais linda moça.
Estamos sempre ligadas na moda, ficar fora dela incomoda.

Quando levamos um fora ficamos carente, mas não fique contente!
Sacudimos a poeira e vamos logo para a zoeira.
Ficar chorando é uma bobagem e pode estragar a maquiagem.

Somos mulheres somos assim,
Sempre em busca do amor sem fim,
Somos mulheres somos guerreiras,
Sempre vencendo nossas barreiras.

Inovadoras, Indepentes.
Somos modernas,somos inteligentes.
Dúvidas?! Pode apostar!
É só nos conhecer que vai se apaixonar!

*************************************
Dedicatória:

Para nós mulheres,fortes, guerreiras, mas sem perder nossa essência.

(Fernanda Vieira Alves)

 

 


Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb