39212  ACESSOS

ENTREVISTA

O grande escritor e colunista Moacyr Scliar cedeu alguns minutos da sua atribulada agenda para responder as perguntas do site.

 

 

moacyr3

 

 

1) Sua obra é marcada pelo flerte com o imaginário fantástico e pela investigação da tradição judaico-cristã. Como o senhor definiria o Scliar escritor?

 

  “É uma pessoa que sempre gostou de ler e de escrever e que vê na literatura uma fonte de prazer e de emoção, para si e para os outros.”

 

 

2) O que fazer para instigar a leitura de quem ainda não adquiriu esse hábito?

 

 “Primeira regra: não transformar a leitura em obrigação ou, pior ainda, em castigo. Pais e professores devem convidar a criança a ler, não obrigá-la a fazer isso. Segunda regra: pode-se recomendar obras e autores, mas qualquer coisa que a criança leia é bom. Terceira regra: permitir que as crianças interajam com o texto, adaptando-o para o palco, por exemplo. Quarta regra: estimular a criança a escrever, que também é uma motivação para a leitura.”

 

 

3) O senhor é considerado um dos melhores ficcionistas brasileiros de nossa época. Quais são os seus autores brasileiros preferidos da atualidade e quais as obras que está lendo neste momento?

 

“Autores brasileiros que leio sempre: Clarice Lispector, João Cabral, Drummond, Luis Fernando Veríssimo. No momento estou lendo a biografia que o historiador José Murilo de Carvalho escreveu a respeito de D.Pedro II”
 
 
 
QUEM É: Médico sanitarista por formação, o escritor Moacyr Scliar (Porto Alegre, 1937) é autor de mais de 60 obras que abrangem conto, romance e ensaio. Recebeu numerosos prêmios, entre os quais o Jabuti, Casa de las Americas, José Lins do Rego e Guimarães Rosa. Teve textos traduzidos para doze idiomas. Foi professor visitante no Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros da Brown University, EUA. Ocupa desde julho de 2003 uma cadeira na Academia Brasileira de Letras. Escreveu A Guerra no Bom Fim (1972), O Ciclo das Águas (1975), Mês de Cães Danados (1977), O Centauro no Jardim (1980), A orelha de Van Gogh (1988) Sonhos Tropicais (1992), A Paixão Transformada: História da Medicina na Literatura (1996), A Majestade do Xingu (1997) e Saturno nos Trópicos (2003).
Relembre entrevista de James Hunter
Luc Ferry fala do cristianismo
Polêmica: M. Lobato era racista?
Nelson Xavier fala sobre Chico Xavier
Rubem Alves fala de seu novo livro
Revolução cultural por Paulo C. Lima
Moacyr Scliar na revista L. Portuguesa
Clarice Lispector por ela mesmo
Jorge Amado fala numa entrevista de 1981
Francisco José Viegas, escritor portuguê
A cultura do sebo
Especilista fala da interatividade
A última entrevista de Drummond
Verissimo fala à revista L. Portuguesa
Como fazer sucessos com músicas e jingle
Saramago fala de Ensaio Sobre a Cegueira
A vida do prof. Antônio Gilberto K.
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb