39212  ACESSOS

ENTREVISTA

 

O mundo é um inferno

Saramago comenta a adaptação para o cinema de

“Ensaio sobre a Cegueira”

 

      Prestes a lançar A Viagem do Elefante, o 44º livro de uma carreira consagrada com o Prêmio Nobel de literatura, José Saramago pede licença a seus compromissos com a prosa sempre que o assunto é a adaptação cinematográfica dirigida por Fernando Meirelles de seu Ensaio sobre a Cegueira. Nesta entrevista por e-mail, o autor, que completa 86 anos em novembro, chama de “brilhante” o trabalho de Meirelles na direção – em tom de parábola, o filme fala de uma misteriosa epidemia capaz de gerar perda de visão em massa.

Pergunta – No filme de Fernando Meirelles, como no seu livro, a epidemia de cegueira serve como metáfora para desarmonias sociais contemporâneas. O que significa ser cego no mundo pós-11 de Setembro?


José Saramago
– Já estávamos cegos antes do 11 de Setembro. O mundo é muito maior que Nova York, e o terrorismo é apenas um dos males de que a Humanidade tem sofrido desde sempre e quem sabe se para sempre. Peço perdão pelo que o termo “apenas” possa parecer restritivo. Se não nos limitássemos a olhar, se víssemos de fato o que temos diante dos olhos todos os dias, se tudo isso tivesse um efeito real na nossa consciência, então não poderia haver nada capaz de deter o movimento geral de protesto que se desencadearia à escalada mundial contra o terrorismo da Al-Qaeda, mas também contra essa enfiada maldita de calamidades que fizeram deste mundo um inferno, o único, porque é impossível que haja outro como este. Costumo dizer que o ser humano é um animal doente. Os fatos o confirmam. Quanto ao Ensaio sobre a Cegueira, sou o primeiro a dizer que não passa de uma pálida imagem da realidade.

Pergunta – Após a exibição de Ensaio sobre a Cegueira em Cannes, em maio, o senhor exaltou as qualidades do filme. Como o senhor avalia o trabalho de Fernando Meirelles na transposição de seu texto?


Saramago
– O resultado da adaptação de Fernando Meirelles é mais do que satisfatório. Considero-o até brilhante. O essencial da história está ali, como seria de esperar, mas, sobretudo, encontrei na narrativa fílmica o mesmo espírito e o mesmo impulso humanístico que me levaram a escrever o livro. Nem Fernando Meirelles nem eu pensamos que vamos salvar a Humanidade, mas somos conscientes de que, quer como artistas, quer como cidadãos, levamos a cabo um trabalho responsável.

Pergunta – O senhor conhece a obra de Meirelles?


Saramago
– Vi e apreciei como devia Cidade de Deus e O Jardineiro Fiel. Quando dei o “sim” a Fernando, sabia o que fazia. Suponho que os brasileiros devem estar orgulhosos de que um dos seus seja um dos melhores realizadores de cinema da atualidade. Quanto à minha relação com o cinema internacional, para além da irritação profunda que me causam os chamados efeitos especiais, reconheço que não o acompanho com regularidade. O caráter absorvente do meu trabalho de escritor distrai-me da obrigação de princípio de acompanhar de perto outras manifestações artísticas, sem esquecer a distância física a que me encontro dos grandes centros (o autor vive entre Lisboa e a Ilha de Lanzarote, na Espanha).

Pergunta – Passados quase 13 anos da publicação de Ensaio sobre a Cegueira, que dilemas o senhor acredita que a personagem da Mulher do Médico, interpretada por Julianne Moore, ainda sintetiza?


Saramago
– Muitas das “mulheres do médico” são homens. São todas aquelas pessoas que estão conscientes do verdadeiro caráter do mundo em que vivem e que sofrem por não ver sinais positivos de mudança, mas também pela sua própria impotência perante o desastre que se tornou a vida humana.

Pergunta – O que nos espera em seu novo livro, A Viagem do Elefante, que a Companhia das Letras promete para novembro no Brasil?


Saramago
– A Viagem do Elefante não é um romance, mas sim um conto, uma narrativa que, apesar das suas 250 páginas, não perde nunca a sua natureza de conto. Pelo contrário, reivindica-a. A história parece simples, o relato do que acontece a um elefante que é levado de Lisboa a Viena, mas a simplicidade, neste caso, é uma mera aparência. O leitor julgará por si mesmo.

Pergunta – No seu blog (http://blog.josesaramago.org), o senhor adianta que A Viagem do Elefante será uma trama coral, narrada a várias vozes. De que maneira esse enredo vai abordar a questão da solidariedade, tema que norteia Ensaio sobre Cegueira e vários outros livros seus?


Saramago
– As questões da coralidade e da solidariedade, embora presentes, são algo marginais ao miolo da história. Como é meu costume, uma vez mais, a epígrafe do livro resume e anuncia o que virá depois: “Sempre acabaremos chegando aonde nos esperam”. A frase só aparentemente é enigmática.

 

 

(fonte ZERO HORA)

 

 

 

Relembre entrevista de James Hunter
Luc Ferry fala do cristianismo
Polêmica: M. Lobato era racista?
Nelson Xavier fala sobre Chico Xavier
Rubem Alves fala de seu novo livro
Revolução cultural por Paulo C. Lima
Moacyr Scliar na revista L. Portuguesa
Clarice Lispector por ela mesmo
Jorge Amado fala numa entrevista de 1981
Francisco José Viegas, escritor portuguê
A cultura do sebo
Especilista fala da interatividade
A última entrevista de Drummond
Verissimo fala à revista L. Portuguesa
Como fazer sucessos com músicas e jingle
A vida do prof. Antônio Gilberto K.
EXCLUSIVO: MOACYR SCLIAR
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb