38768  ACESSOS

ETIMOLOGIA

 

 

A ORIGEM DE ALGUMAS PALAVRAS MUITO DEBATIDAS NESTA ÉPOCA ELEITORAL

(DEONÍSIO DA SILVA)

 

   Os candidatos são assim denominados porque na antiga Roma aqueles que se apresentavam a cargos públicos vestiam-se de branco. Suas vestes semelhavam a toga dos sacerdotes. Com isso, queriam demonstrar que eram puros, sobretudo em suas intenções. A palavra candidato veio de candidatus, vestido de branco.

   A cor branca está associada, desde tempos remotos, às idéias de pureza e honradez. Nas democracias, marcadas por escolhas periódicas de representantes do povo, os candidatos passaram a vestir-se de muitas outras cores, mas permaneceu a etimologia do vocábulo. Entretanto, dado o que aprontam vários deles, inclusive depois de eleitos, a pureza foi sacrificada em nome de pragmatismos diversos, que incluem alianças dos supostamente puros com os comprovadamente corruptos.

  

   Eleição também é palavra de origem latina. Veio de electione, escolha. Nos começos de nossa história política, exigia-se do eleitor certa renda, mas não instrução. Votavam apenas os ricos, ainda que fossem analfabetos. Depois estendemos o voto a todos os maiores de 18 anos, ricos e pobres, desde que alfabetizados.

Nossa atual Constituição, de 1988, revisada por Ulysses Guimarães na placidez da Fazenda São Joaquim, em São Carlos, no interior de São Paulo, conferiu o direito de voto a todos os brasileiros maiores de 16 anos, alfabetizados ou não. O voto é, no Brasil, além de direito, dever, já que é obrigatório dos 18 aos 70 anos.

 

   Já vereador, sinônimo de edil, vem do português arcaico verea, vereda, caminho. A função principal do vereador romano, denominado aedil, era verificar e tomar providências para a conservação dos edifícios. Edil e edifício têm origens semelhantes. Com o passar do tempo, vereador substituiu edil, mas as duas palavras designam a mesma função.

O vereador percorre as veredas - hoje elas se chamam avenidas, ruas, bairros, subúrbios, periferia - e vê o que falta ali. Faz seu projeto e o apresenta a seus pares na Câmara, assim chamada porque na antiga Grécia os locais em que os políticos se reuniam eram cobertos por abóbadas, semelhantes às das catedrais.

   Em grego, abóbada é kamára. Quando passou para o latim vulgar, as pessoas começaram a pronunciar ""camára"", mas vieram uns falsos eruditos que, para diferenciar sua fala da do povo, tornaram-na câmara, proparoxítona. A língua portuguesa evita palavras proparoxítonas. O latim vulgar, o do povo, era mais coerente: ""camára"", como no grego.

 

   As origens das palavras prefeito e município também são latinas. Os romanos denominavam praefectus a autoridade posta à frente das fortificações que cercavam o município. O praefectus, prefeito, era o chefe do municipium, município, o local onde as pessoas moravam e exerciam seus ofícios, tendo direitos e deveres.

 

   Deputado veio do latim deputatu, enviado a alguma missão. Em latim, deputare significou inicialmente podar, separar e, por fim, o sentido que hoje tem, de indivíduo que trata de interesses de outros. Já senatus, senado, conselho onde tinham assento os anciães, e senator, senador, o próprio ancião que atuava como conselheiro, também são palavras latinas. Este é também o caso de presidente, do latim praesidente, declinação de praesidens, presidente, designando aquele que está assentado à frente, na sede, no palácio, ocupando o primeiro lugar.

 

(fonte: JORNAL DO BRASIL online)

 

 

Nomes de santos batizam 12% das cidades
Origem dos termos relativos a joias
Barriga-verde, carioca, gaúcho, etc.
Blu-ray e Bluetooth
A origem da língua portuguesa
Termos familiares: a origem
A origem da expressão Ave, Maria
Segurar vela, Vira-lata e Coroa
Quaresma
A origem dos dicionários
O que é a Lingüística
Origem dos nomes dos carros
Utopia, Saudade, Dar Zebra
Cavalo da Chuva, Fulano, Tchê e Páscoa
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb