39554  ACESSOS

NOTÍCIAS

 

A vocação da escrita

Professores e autores entendem que as oficinas literárias auxiliam o processo criativo, mas não criam, nem inventam ou formam escritores

por Carlos André Moreira - Zero Hora

     Um dos intelectuais mais polêmicos do Estado, depois de declarar, há 15 anos, que a literatura havia morrido, agora volta à arena do debate com um ensaio já nascido sob o signo da controvérsia. José Hildebrando Dacanal põe em discussão com seu livro mais recente, Oficinas Literárias: Fraude ou Negócio Sério? (Editora Soles, 80 páginas, R$ 10,50), a polêmica do papel das oficinas literárias na formação de um escritor. Dacanal defende que, como todo artista, o escritor ou já nasce com a chama do talento ou será ludibriado e iludido por anos refinando um gênio que não possui. Por vir à tona em uma época em que as oficinas se proliferam e já começam a ocupar papel relevante no debate crítico, o ensaio põe fogo nas discussões sobre o tema.

     O livro de Dacanal – ou antes, a ameaça dele – já circulava há um bom tempo no universo literário gaúcho, depois que o autor, incomodado com o que considerava supervalorização das oficinas, prometeu escrever uma diatribe com título provocativo. No livro que está chegando agora às bancas, Dacanal diz que a promessa era mais uma brincadeira do que um projeto sério, mas que se viu incentivado a escrever o texto depois que foi procurado por um conhecido oficineiro que ameaçou processá-lo.

     – Aí encanzinei, como dizia a minha mãe. Eu nem tinha tempo para me dedicar a essa, mas decidi fazer assim mesmo depois de reações desse tipo – completa Dacanal.

     No ensaio, Dacanal começa por identificar quatro tipos de cursos que poderiam ser chamados de “oficinas”. O primeiro deles seria um curso exigente e extensivo de português e literatura, dedicado a reforçar os conhecimentos do aluno em gramática, retórica, leitura dos clássicos, leitura do que de melhor se produziu no Brasil e no Exterior. Um curso de literatura de alto nível, portanto. O quarto seria uma simples aula de leitura orientada.

     O segundo tipo seria das oficinas que ensinam macetes e truques para melhorar o texto, e o terceiro seriam cursos que se proporiam a formar artistas. É contra estes dois, o terceiro, mais especificamente, que Dacanal concentra seus argumentos. De acordo com o intelectual gaúcho, que teve este ano publicada sua tese de doutoramento em Letras na UFRGS, o que forma o verdadeiro escritor é intransferível por meio de uma oficina: “o artista nasce artista”.

     – Não sou eu que digo isso, é a tradição de três mil anos do Ocidente. – provoca Dacanal – que não está sozinho em sua opinião:

    – As oficinas ajudam, é claro, mas não tenho nenhuma dúvida de que elas jamais vão formar um escritor de verdade. Formar um escritor de verdade, que vai permanecer, eterno, escritor que por pressuposto na condição de artista escreve porque sente necessidade, que tem de escrever porque aquilo é a sua vida, elas não formam. Elas respondem, de certa maneira à necessidade de escritores que querem escrever, o que é diferente – diz o jornalista, tradutor e escritor Marcelo Backes, autor do romance maisquememória.

     O ensaio de Dacanal já vinha provocando uma polêmica subterrânea no Estado, antes mesmo de ser publicado, porque nas últimas duas décadas o Rio Grande do Sul se converteu na capital informal das oficinas literárias no país. A voz discordante de Dacanal também se eleva em um momento em que as oficinas vêm se proliferando até mesmo fora do Rio Grande do Sul – muitas vezes tendo as daqui como modelo. Dentre os autores formados no Estado, a maior parte dos autores em atividade surgidos na última década, passou por uma oficina, como Cíntia Moscovich, Michel Laub, Daniel Galera, Daniel Pellizzari, Carol Bensimon, Monique Revillion, entre outros exemplos. De diferentes gerações, todos são hoje publicados com ressonância crítica e falam da oficina como um período que resultou em maturação ou mesmo tomada de consciência de uma vocação que já traziam, a da palavra impressa. O professor Luís Augusto Fischer, ele próprio coordenador de oficinas, lembra que sua proliferação pode ser resultado de uma transição do modelo hegemônico de formação de escritores, até meados do século 20 escorado no exemplo europeu e hoje mais próximo do paradigma americano:

     – É uma mudança importante, esse fenômeno indica a transição de um modelo francês, mais antigo, aquele do escritor como um artista inspirado e solitário, iluminado, para a noção americana de escrita como trabalho, como exercício, como refinamento exaustivo da técnica. Essa transição é evidente.

Fonte: Zero Hora online

 

 

Lya Luft impede peça de seu livro
MEC não controla criação de cursos
A 57ª Feira do Livro de Porto Alegre
NTM visita Candiota
Camaquã monta NTM
Guarany e o elenco p/ 2º semestre 2012
Betan, 92 anos, está no ensino médio
Guarany FC continua aprontando!
XV Semana da Poesia
Guarany estréia na Segundona 2011
Biblioteca reabre em SP
Guarany apresenta elenco para 2011
A primeira mulher presidente do Brasil
China lidera ranking de educação
Cafezinho de Natal e obras literárias
Gabriel, o pensador em S. Lourenço
Mario Vargas Llosa ganha NOBEL
Comer, rezar, amar vira filme
Sucesso no I Versejo da José A. Netto
EMEF José A. Netto faz Versejo
Salman Rushdie FLIP 2010
Pesquisa mostra que gaúchos leem mais
Morre José Saramago
Copa do Mundo começou com poucos gols
IFSUL abre inscrições
V Rock & Poesia acontece mesmo com chuva
V Rock & Poesia
Escola recebe exposição de Castro Alves
'Creche Mimosa' inaugura biblioteca
Lêdo Ivo é premiado na Espanha
Lojas Colombo vai vender livros
O sotaque mineiro
O novo livro de Nelson Motta
Os nomes preferidos pelos brasileiros
Série Crepúsculo 'reformula' o amor
ENEM: prova tem problemas conceituais
Colecionador doa 180 mil livros
As venda despencam na Feira de P. Alegre
Prêmio Fato Literário 2009
Luiz de Miranda se demite da Academia
Biblioteca expressa
Restaurante ganha biblioteca
Reforma revela Biblioteca do RS
Carlos Urbim
Cantor planta árvores a cada CD vendido
Altair Martins ganha mais um prêmio
A voluntária das letras
Sucesso de público na feira de Tapes
Tapes promove a I Feira do Livro
31 mil crianças gaúchas fora da escola
Escola Rui Barbosa incentiva poesia
Porto Alegre comemora Dia Int. do Livro
CAPOCAM 20 ANOS
Locadora de livros
Brasil forma menos professores
O redator dos discursos de Obama
Antologia Poeta, mostra tua cara em Cqã
Wizard Camaquã em novo endereço
Tesouro de Simões Lopes é encontrado
Feira do livro de Porto Alegre
Rematrículas
Os indicados do Fato Literário
Prof. Milton eleito vereador
Brasil tem queda do analfabetismo
Acampamento Farroupilha
Camaquã já tem sebo
Brasil perde o notável Caymmi
A reestréia da rua do livro
UFRGS está entre as melhores da América
Festa Literária de Paraty
Lajeado ganha museu do livro
Estudante conta do 1º lugar no ENEM
Escolas de Camaquã têm excelentes notas
28ª Feira do Livro termina com chuva
Feira do Livro de Camaquã
Portugal assina acordo ortográfico
Histórias do baú em Santo Ângelo
Estudante passa em 8 vestibulares
Aluna de MG e Vovó de 81 aprovada vest.
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb