39554  ACESSOS

NOTÍCIAS

A leitura transformada

Além de lerem mais livros por ano, os gaúchos consomem mais jornais e transitam mais pela internet do que os brasileiros acima do Mampituba. A revelação está contida em pesquisa encomendada pelo governo federal

     Se é um dos Estados mais conhecidos por cultivar tradições, o Rio Grande do Sul também se mostra atento a novidades e ligado a transformações culturais. Na leitura de livros, os gaúchos se desviam pouco da baixa média nacional, mas na busca de informações em jornais e via internet a renda e a instrução acima da média garantem um perfil mais antenado aos habitantes do pampa.

     A pesquisa Hábitos de Informação e Formação de Opinião da População Brasileira mostra transformações consolidadas no acesso ao conhecimento no Estado e no país. Os dados indicam que a leitura ultrapassou de vez as fronteiras do papel para se acomodar em telas de computador, telefone ou aparelhos eletrônicos como Kindle e iPad.

     O levantamento foi realizado pela Meta Instituto de Pesquisas de Opinião para o governo federal, com base em 12 mil entrevistas no país. Uma das maiores diferenciações dos gaúchos em relação à média nacional se estabelece na leitura de jornais. No Estado, 71,6% dos 1.129 entrevistados declaram ter esse hábito, proporção que cai para 46,1% no país como um todo. Enquanto isso, 18,7% dos gaúchos afirmam ler livros diariamente, ante 17,4% no total.

     – Fatores como renda e instrução permitem ter acesso a computadores e criam certa cultura que induz a esse tipo de uso com maior frequência. O caráter socioeconômico da população do Rio Grande do Sul favorece também uma proporção maior do uso da internet – analisa Flávio Silveira, diretor-presidente da Meta e responsável técnico pela pesquisa.

     É a ampla amostragem da pesquisa, destaca Silveira, que permite abrir os dados por Estado. No Rio Grande do Sul, 48,3% dos ouvidos relatou utilizar a rede mundial todos os dias, enquanto na média do país o percentual ficou em 43,9%. Os dados chancelam a interpretação de Silveira: na classe de renda familiar acima de 10 salários mínimos mensais, o acesso à internet quase dobra, para 79,9%. E, embora na faixa etária de 16 a 24 anos a principal finalidade da navegação seja lazer – com foco em jogos e vídeos –, a partir dos 25 anos o que move o mouse é o trabalho e a busca de informações. Ou seja: são leitores eletrônicos que trocaram páginas por telas.

     – A plataforma muda, mas o hábito se mantém. Aliás, se parar para pensar, a gente acaba lendo muito mais. A busca de informações por profissionais e acadêmicos tem se deslocado para a internet, o que não é ruim. Como professor, tenho de indicar diversas fontes para alunos. Antes, era preciso comprar livros ou ir até uma biblioteca. Na internet, há muito mais fontes de consulta. O grande problema é filtrar e saber o que realmente vale a pena – avalia Celso Poderoso, economista mestre em Tecnologia e especialista em Sistemas de Informação, coordenador dos cursos de graduação tecnológica da Faculdade de Informática e Administração Paulista (Fiap).

     Como todo processo de transformação, esse também não é unânime.

    – A forma como as pessoas se dedicam à cultura online de fato encurta o tempo de pesquisa, mas é tamanha a quantidade de informação que a leitura passa a ser mais coletora do que analítica. Aprofundar temas fica mais difícil. Essa formatação da mente para um olhar mais dispersivo parece diminuir a capacidade de concentração para uma leitura mais prolongada – adverte João Carneiro, presidente da Câmara Riograndense do Livro (CRL).

     Por praticidade, o coordenador da especialização em Jornalismo Digital da PUCRS e consultor em novas mídias, Marcelo Träsel, diz preferir um livro a um computador para ler durante esperas em aeroportos.

     – É diferente ler em computador e no papel. O meio obriga a certas atitudes. Se a tela não for boa, não vou conseguir ler por muito tempo. Ainda não é possível avaliar totalmente as consequências cognitivas que a mudança de plataforma vai provocar. A discussão sobre o fim da privacidade de alguns anos provocada por blogs e fotoblogs em que se postava tudo evoluiu quando os jovens cresceram e passaram a buscar mais privacidade, e agora estão tirando do ar as fotos de festas.

POR MARTA SFREDO para Zero Hora
 
 
Lya Luft impede peça de seu livro
MEC não controla criação de cursos
A 57ª Feira do Livro de Porto Alegre
NTM visita Candiota
Camaquã monta NTM
Guarany e o elenco p/ 2º semestre 2012
Betan, 92 anos, está no ensino médio
Guarany FC continua aprontando!
XV Semana da Poesia
Guarany estréia na Segundona 2011
Biblioteca reabre em SP
Guarany apresenta elenco para 2011
A primeira mulher presidente do Brasil
China lidera ranking de educação
Cafezinho de Natal e obras literárias
Gabriel, o pensador em S. Lourenço
Mario Vargas Llosa ganha NOBEL
Comer, rezar, amar vira filme
Sucesso no I Versejo da José A. Netto
EMEF José A. Netto faz Versejo
Salman Rushdie FLIP 2010
Morre José Saramago
Copa do Mundo começou com poucos gols
IFSUL abre inscrições
V Rock & Poesia acontece mesmo com chuva
V Rock & Poesia
Escola recebe exposição de Castro Alves
'Creche Mimosa' inaugura biblioteca
Lêdo Ivo é premiado na Espanha
Lojas Colombo vai vender livros
O sotaque mineiro
O novo livro de Nelson Motta
Os nomes preferidos pelos brasileiros
Série Crepúsculo 'reformula' o amor
ENEM: prova tem problemas conceituais
Colecionador doa 180 mil livros
As venda despencam na Feira de P. Alegre
Prêmio Fato Literário 2009
Luiz de Miranda se demite da Academia
Biblioteca expressa
Restaurante ganha biblioteca
Reforma revela Biblioteca do RS
Carlos Urbim
Cantor planta árvores a cada CD vendido
Oficinas literárias: fraude ou seriedade
Altair Martins ganha mais um prêmio
A voluntária das letras
Sucesso de público na feira de Tapes
Tapes promove a I Feira do Livro
31 mil crianças gaúchas fora da escola
Escola Rui Barbosa incentiva poesia
Porto Alegre comemora Dia Int. do Livro
CAPOCAM 20 ANOS
Locadora de livros
Brasil forma menos professores
O redator dos discursos de Obama
Antologia Poeta, mostra tua cara em Cqã
Wizard Camaquã em novo endereço
Tesouro de Simões Lopes é encontrado
Feira do livro de Porto Alegre
Rematrículas
Os indicados do Fato Literário
Prof. Milton eleito vereador
Brasil tem queda do analfabetismo
Acampamento Farroupilha
Camaquã já tem sebo
Brasil perde o notável Caymmi
A reestréia da rua do livro
UFRGS está entre as melhores da América
Festa Literária de Paraty
Lajeado ganha museu do livro
Estudante conta do 1º lugar no ENEM
Escolas de Camaquã têm excelentes notas
28ª Feira do Livro termina com chuva
Feira do Livro de Camaquã
Portugal assina acordo ortográfico
Histórias do baú em Santo Ângelo
Estudante passa em 8 vestibulares
Aluna de MG e Vovó de 81 aprovada vest.
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb