39551  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

A RELIGIÃO DA GRAMÁTICA

por Aldo Bizzocchi – doutor em Lingüística

    A Idade Média representou a fase do Ocidente em que tudo o que era preciso saber a respeito do mundo material e espiritual já estava dado por Aristóteles e pela Bíblia. O conhecimento era estático e imutável. Afirmações eram verdadeiras não porque provadas pelo raciocínio ou pela experiência, mas porque feitas por autoridades religiosas.

    Com a Renascença, nova perspectiva surgiu. Houve "renascimento" da paixão clássica pelo conhecimento racional e empírico. Mas, apesar de o poder de explicação da ciência ser maior que o dos livros sagrados, parte da humanidade ainda acredita mais na religião do que na ciência. No campo da linguagem se dá embate igualmente trágico entre pensamento racional e postura tradicionalista, dogmática, subjetiva e autoritária.

    Não sou contra a normatização, necessidade de todas as línguas. Mas o espírito que norteia a análise da língua e o estabelecimento das regras pela gramática normativa se assemelha muito à conduta obscurantista da religião.

Tradicional
    A gramática que estudamos na escola, com suas denominações (substantivo, adjetivo, verbo, sujeito, predicado etc.) e seu ímpeto legiferante, remonta a Aristóteles e a gramáticos como Dionísio de Trácia (séculos 2-1 a.C.), Apolônio Díscolo, Donato (ambos de 1 d.C.) e Prisciano (século 5). Desde seu surgimento, a gramática se propõe a dupla missão de descrever e regulamentar a língua para garantir sua pureza, impedir sua corrupção e auxiliar as pessoas a bem falar e escrever.

    Portanto, se uma de suas missões (descrever) a torna precursora das ciências da linguagem (embora a gramática tome como corpus de sua descrição a escrita culta, desprezando outras manifestações lingüísticas), a outra (regulamentar) a aproxima da atividade legislativa, com a ressalva de que gramáticos não detêm mandato para legislar sobre o idioma. Já a preocupação dos gramáticos com o bem falar e escrever faz deles uma espécie de "estilistas" da língua, decidindo, à maneira dos consultores de moda, o que é elegante ou de mau gosto em matéria de expressão verbal.

Gramáticos
    A rigor, qualquer um que publique um livro intitulado Gramática pode dizer-se gramático. Sua maior ou menor respeitabilidade dependerá da adesão que seu livro tiver pelos professores. No Brasil, até professor de cursinho com coluna em jornal ou rádio passa a ser considerado autoridade do idioma, não importa que ele não tenha produção científica.

    Felizmente, a maioria dos gramáticos não é tosca. Mas nem sempre tem formação científica: são, fundamentalmente, professores, não pesquisadores. Seu método consiste em usar como ferramenta de trabalho o modelo de análise de Dionísio de Trácia e em ditar regras do bom uso com base em critérios subjetivos: a abonação por autores do passado ou a própria opinião do gramático. Não é preciso dizer que a gramática de Dionísio vale tanto hoje quanto a física de Aristóteles.

    Já a adoção dos clássicos como parâmetro da correção gramatical implica problemas. Primeiro, baseia-se só na modalidade escrita. Segundo, toma como norma o que era desvio: a literatura prima pela liberdade criativa e pela transgressão. Além disso, a norma fundada nos autores do passado peca por anacronismo e subserviência ao lusitano (o pré-Modernismo seguia o padrão vigente em Portugal).

    Mas a principal crítica à gramática é à falta de fundamentação científica, pela ausência de comprovação empírica, escolha de amostras pouco representativas, quantitativa e qualitativamente, e pelo uso de método mais reflexivo-dedutivo do que observacional-indutivo.

Religiosidades
    As "explicações" religiosas não se baseiam na lógica nem na experiência, mas em tradição e autoridade. Com o raciocínio gramatical, há o mesmo: um dado uso é correto simplesmente porque o eminente Fulano, em sua Gramática de antigamente, afirma que assim deve ser, já que os escritores Sicrano e Beltrano assim escreveram no século 19.
As verdades gramaticais são como dogmas religiosos:

- Os elementos essenciais da oração são sujeito e predicado;

- Sujeito é aquele de quem se diz algo; predicado é o que se diz a respeito dele;

- Em "vendem-se casas" há voz passiva sintética;

- "Ter" é verbo transitivo direto etc. etc.

    Não importa que haja orações sem sujeito; que as pesquisas sobre a estrutura hiperprofunda da linguagem e a cognição humana demonstrem que o predicado não existe; não importa que a definição de sujeito e predicado se baseie mais na lógica aristotélica do que na semântica e pragmática das línguas naturais; e uma série de experimentos lingüísticos provem que não há voz passiva sintética em português nem que "ter" seja transitivo.

    Como a religião, a gramática desconfia da pesquisa e acredita no argumento de autoridade. Assim como a física e a metafísica de Aristóteles explicam o mundo de Deus, a gramática grega de Dionísio explica todas as línguas do mundo nascidas da Torre de Babel.

    Assim como os religiosos conservadores combatem a ciên­cia (os liberais tentam compatibilizá-la à doutrina), os gramáticos conservadores anatematizam a lingüística por verem nela uma ameaça à "pureza" do idioma. Os mais modernos até respeitam a ciência da linguagem, mas nem por isso a estudam a fundo ou a adotam.

Descompasso
    Resulta disso um descompasso tão grande entre a gramática e o uso que fazem os falantes cultos quanto o que se verifica entre os mandamentos da Igreja e o comportamento moderno. E, como na religião, a gramática mais ortodoxa tem seguidores, para quem "a língua está se degenerando dia a dia", "ninguém mais sabe falar português" ou "já não se fazem mais escritores como antigamente".

    Ao fim e ao cabo, a gramática, que deveria ser instrumento de racionalização da língua para a intercompreensão entre os falantes, acaba sendo o contrário: uma força que obstaculiza a simplificação e a modernização. O resultado? Um conhecimento estático, incólume de geração a geração. Nos EUA, autoridades tentam impedir o ensino da teoria da evolução de Darwin nas escolas, impondo em seu lugar o criacionismo. Há no Brasil uma luta de poder entre lingüistas e gramáticos semelhante à que se trava lá entre biólogos e pastores.

    Professores de português ensinam seus alunos com base nas normas vigentes, por anacrônicas que sejam. Precisam dominar tais normas, pois serão exigidas em vestibulares e concursos, não raro elaborados por professores fiéis à doutrina. Professores de escalão mais alto redigem gramáticas e didáticos que serão a Bíblia do catecismo lingüístico. Em jogo, a manutenção do poder nas salas de aula, nos processos seletivos, nos jornais, rádio e TV. Afinal, a ciência, por sua natureza inquiridora, é antiautoritária. Não é à toa que amantes do poder absoluto, sejam sacerdotes ou gramáticos, não gostem dela.

 (fonte: Revista Língua Portuguesa - Editora Segmento)

 

 

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb