39551  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

Os  100  anos  de Cartola

Cartola faria 100 anos no dia 11 de outubro de 2008.

 

Angenor de Oliveira, assim com "n" mesmo, nasceu no bairro do Catete, no Rio, fruto de uma família de classe média baixa. Sebastião Joaquim de Oliveira e Aída Gomes de Oliveira tinham sete filhos para sustentar, e Angenor era o quarto deles. Aos 11 anos teve seu primeiro contato com o morro - por problemas financeiros a família se mudou para a favela da Mangueira. Angenor adorava carnaval e futebol - torcia fervorosamente pelo Fluminense. Essa poderia ser a vida de qualquer cidadão comum, mas, nesse caso, é a história de Cartola, o primeiro grande compositor de samba carioca, que completaria 100 anos neste sábado (11).

Ao contrário do que muitos pensam, o samba de Cartola nasceu no asfalto. Desde criança já escrevia poesias, mesmo tendo estudado apenas até o primário.  Cartola jamais conseguiu se integrar ao mercado de trabalho, e passou sua vida trabalhando em bicos, como pintor de paredes, lavador de carros e vigia de prédio.

A imagem do sambista malandro tem origem curiosa: o chapéu não foi incorporado à imagem de Cartola somente por charme. Quando o artista, que sempre foi muito vaidoso, ainda era desconhecido, trabalhava como pedreiro e se irritava com a presença do cimento em seus cabelos. Por isso passou a usar sempre o adereço e ganhou o apelido famoso de seus amigos.

No início da carreira, Cartola vendia sambas, muitos em parceria com o até então também desconhecido, Noel Rosa. O primeiro samba da parceria, "Que infeliz sorte" (1927), arrematou trezentos contos de réis e foi gravado pelo cantor de sucesso da época, Francisco Alves. 

Uma carreira de altos e baixos

A trajetória artística de Cartola foi marcada por épocas de glória e ostracismo. Ao mesmo tempo em que o sambista lançou seu disco "Cartola", em 1974, e sua fama atingiu o auge, também terminou seus dias pobre, morando em uma casa doada pela prefeitura. Os altos e baixos foram normalmente determinados por fatores pessoais, como desilusões amorosas ou brigas com a escola de samba que ele ajudou a fundar em 1928: A Estação Primeira de Mangueira.

A escola foi criada em uma reunião de amigos. Além de Cartola, estavam também figuras que se tornariam lendárias no samba, como Heitor dos Prazeres, o mano Heitor; Pedro Caim, o Pedro Paquetá; e Marcelino José Claudino, o Massu. Cartola era diretor de harmonia e um dos compositores dos sambas escola.

O amor, uma inspiração

Como é possível perceber nas letras de Cartola, o sambista era romântico. O grande amor de sua vida foi Dona Zica, posteriormente mais conhecida como Dona Zica da Mangueira, figura ilustre na escola de samba. Foi ao lado dela que Cartola compôs alguns de seus sambas mais conhecidos, como o homônimo "As Rosas Não Falam", e "Nós Dois", que conta a trajetória dos dois ao altar: "Nada mais nos interessa/ Sejamos indiferentes/ Só nós dois, apenas dois/ Eternamente", escreveu o sambista.

Cartola morreu aos 72 anos, em 30 de outubro de 1980, por culpa de um câncer. Nas palavras do também sambista da Mangueira, Nelson Sargento, "Cartola não morreu, foi um sonho que a gente teve".

(fonte: www.sidneyrezende.com)

 

 

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb