38791  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

MORRE A ESCRITORA ZÉLIA GATTAI

 

     A memorialista, romancista e fotógrafa Zélia Gattai Amado morreu aos 91 anos neste sábado 17/maio, às 16h30, no Hospital da Bahia, em Salvador. A viúva do também escritor Jorge Amado estava internada desde o dia 30 de março com problemas renais, provocados por uma infecção urinária.

                                     

     Em abril, a escritora passou por uma cirurgia para desobstrução do intestino e, em seguida, precisou ser submetida a uma hemofiltração. Desde então ela se recuperava na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital, mas seu estado de saúde piorou na madrugada desta sexta-feira.

     Zélia Gattai mostrou seu talento literário aos 63 anos, incentivada por Jorge Amado, com quem foi casada por 56 anos até a morte do escritor, em 2001 aos 88 anos. O primeiro livro, Anarquistas, Graças a Deus, virou marco pelo valor histórico e cultural para o País, e lhe rendeu o Prêmio Paulista de Revelação Literária de 1979.

     Ao todo, a escritora publicou dez livros de memória, três livros infantis, uma fotobiografia e um romance. Muitos foram traduzidos para o francês, italiano, espanhol, alemão e russo.

     Filha de imigrantes italianos, a escritora nasceu na capital paulista em 2 de julho de 1916, onde morou até a sua adolescência. Quando jovem, participava do movimento político-operário. Aos 20 anos, se casou pela primeira vez com Aldo Veiga. Desta união, que durou oito anos, teve um filho, Luís Carlos, nascido em São Paulo, em 1942.

     Engajada, a escritora conheceu Jorge Amado em 1945, quando os dois trabalharam juntos no movimento pela anistia dos presos políticos. Admiradora do romancista baiano, se casou com o escritor no mesmo ano. A partir daí, a escritora começou a trabalhar ao lado do marido, passando a limpo seus originais e o auxiliando no processo de revisão.

     Em 1946, com a eleição de Jorge Amado para a Câmara Federal, o casal mudou-se para o Rio de Janeiro, onde nasceu o filho João Jorge, em 1947. Um ano depois, com o Partido Comunista declarado ilegal, seu marido perdeu o mandato e a família precisou se exilar.

     Com os familiares, Zélia viveu em Paris por três anos, período em que fez os cursos de civilização francesa, fonética e língua francesa na Sorbonne. Em 1950 se mudou para a República Checa, onde teve sua terceira filha, chamada Paloma. Durante o tempo de exílio, Zélia começou a fotografar, tornando-se responsável por registrar todos os momentos importantes na vida de Jorge Amado.

     Em 1963, a família mudou-se para Rio Vermelho, Salvador, Bahia, onde Zélia se dedicava à fotografia, tendo lançado a fotobiografia de Jorge Amado intitulada Reportagem Incompleta. No jardim da casa, sob a sombra de uma frondosa mangueira, estão enterradas as cinzas de Amado. A casa será transformada em um museu dedicado à memória do autor de obras como Gabriela, Cravo e Canela e Dona Flor e seus Dois Maridos.

     Em 2005, recebeu o título de cidadã baiana da Assembléia Legislativa, aprovado por unanimidade. "Na verdade, sempre me senti baiana, até por ter nascido no 2 de Julho, além de ter me apaixonado por essa terra mágica, após constatar que a descrição dos livros de Jorge não era mera ficção", declarou, referindo-se à data da Independência da Bahia e à obra do marido.

     Antes da homenagem baiana, ela ganhou outros dois títulos de cidadã: o de Honra da Comuna de Mirabeau, na França (1985), o de Cidadã da Cidade do Salvador (1984) e a Comenda des Arts et des Lettres, do governo francês (1998). Recebeu ainda, no grau de comendadora, as ordens do Mérito da Bahia (1994) e do Infante Dom Henrique (Portugal, 1986).

     A obra de Zélia assegurou à escritora a imortalidade, em 2002, quando foi eleita para a Academia Brasileira de Letras, na cadeira que foi de seu marido e que tem como primeiro ocupante Machado de Assis. No mesmo ano, tomou posse nas academias de Letras da Bahia e Ilheense de Letras.

(fonte: site TERRA)

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb