39551  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

ASSIS BRASIL É O SECRETÁRIO DE CULTURA DO RS

     Em 1º de janeiro, quando o petista Tarso Genro assumir o comando do Piratini, Luiz Antonio de Assis Brasil será o novo secretário de Cultura do Rio Grande do Sul. O convite já foi feito e aceito, assim como aconteceu com o economista Mauro Knijnik, que ainda não tem definida a pasta que irá ocupar.

     A admiração do governador eleito pelo escritor porto-alegrense não vem de hoje. Em 1978, Tarso, como crítico literário, comparou Assis Brasil ao alemão Thomas Mann, Nobel de Literatura em 1929 e autor de A Morte em Veneza. Assis Brasil era, então, um escritor iniciante, tendo lançado seu primeiro romance apenas dois anos antes. Confirmado nessa segunda-feira como novo secretário de Cultura, o multipremiado escritor mostra ter também a admiração política de Tarso.

Escritor, advogado, professor, administrador e músico
     Nascido em Porto Alegre mas criado no interior gaúcho, em Estrela, Assis Brasil é um artista multifacetado. A advocacia foi a primeira de suas artes, tendo se formado na (PUCRS) em 1970. A magistratura foi a segunda, da qual não se afastou mais desde que nela ingressou, em 1975. Desde 1985, inclusive, Assis Brasil ministra a principal oficina literária do Rio Grande do Sul, no programa de pós-graduação da Faculdade de Letras da PUCRS.

     Como administrador cultural, o novo secretário também já ocupou diversos cargos. Foi, por exemplo, chefe da secção de Atividades Artísticas da prefeitura de Porto Alegre, diretor do Centro Municipal de Cultura de Porto Alegre, e diretor do Instituto Estadual do Livro. Atualmente, é Coordenador-Geral do Espaço de Documentação e Memória Cultural da PUCRS, Membro da Associação Internacional de Lusitanistas e Membro Fundador da Associação Cultural Acervo Literário de Erico Veríssimo.

     Tendo tocado violoncelo na Orquestra Sinfônica de Porto Alegre por quinze anos, é na literatura, porém, que o nome de Assis Brasil se agiganta. Todos os dedos das duas mãos não são suficientes para contar os prêmios de grande importância que já foram entregues a ele. Já seu primeiro livro, Um quarto de légua em quadro, foi agraciado com o Prêmio Ilha de Laytano. Assis Brasil já recebeu também o Prêmio Literário Érico Veríssimo e o Prêmio Açoriano de Literatura. Foi também patrono da Feira do Livro de Porto Alegre em 1997.

Família e apoio a Tarso
     Descendente de açorianos por parte de pai e de mãe, o escritor tem fortes relações com a terra dos antepassados, tendo inclusive lecionado na Universidade dos Açores. Assis Brasil não estará sozinho na difícil tarefa de comandar uma pasta que, nos últimos anos, teve orçamento reduzido no Estado. Sua esposa, a escritora Valesca de Assis, é também sua principal conselheira e companheira.

No início de setembro, o casal manifestou apoio à candidatura de Tarso, em um texto que define o novo governador como “um modelo de político que sabe unir posições enérgicas de enfrentamento com o exercício da compaixão e da solidariedade”. Agora é Tarso quem confia a Assis Brasil uma grande responsabilidade

(Fonte: www.ultimosegundo.ig.com.br)

 

 

 

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb