38791  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

PUNHAL BRILHOU NO ESCURO

 

Paulo Sant’Ana – Zero Hora, 12/junho/2011

 

Quando dou opinião nesta coluna, corro o risco muito grande de vir a ser odiado e ofendido gravemente.

A maior ofensa que eu tinha recebido em toda a minha carreira de 40 anos na RBS, foi há mais de 30 anos.

A imprensa entrevistava o jogador Figueroa, de notável passagem no Internacional, quando um repórter perguntou a ele como encarava as críticas que Paulo Sant’Ana lhe fazia por atacar às vezes com cotovelaços os seus adversários dentro do campo.

Um lance característico do Figueroa era desferir cotovelaços nos atacantes quando levava desvantagem nas jogadas.

Na ocasião, eu tinha perdido a expressão facial por secção total do nervo facial. Meu rosto ficou horrendo, o olho esquerdo não fechava, a boca entortou para um lado, virei um Frankenstein, trauma estético que guardo ainda um pouco.

Mas, quando o Figueroa estava dando a entrevista, eu tinha voltado à televisão, embora minha paralisia facial ainda estivesse no auge.

Quando surgiu meu nome na entrevista e as críticas que lhe fazia, Figueroa respondeu por rádio, jornal e televisão: “Esses meus cotovelaços são coisa do Paulo Sant’Ana, mas, como todos sabem, recentemente Deus já se encarregou dele”.

Eu fiquei muito chocado. Até hoje, ao me lembrar do fato, sinto uma náusea existencial.

Mas acontece que agora, mais de 30 anos depois, uma ofensa mais grave que a do Figueroa acaba de me ser feita por um leitor.

Quando escrevi, na sexta-feira, minha opinião favorável à não extradição do ativista italiano Cesare Battisti, tive consciência de que a maioria da opinião pública era favorável à extradição.

Mas nunca pensei que iria encontrar por alguém uma reação tão desproporcional quanto a que um leitor teve para comigo.

Mas é muito propício que eu divulgue a reação do leitor para que todos calculem os riscos e os perigos que correm os jornalistas que opinam. É que muita gente acha que o ofício de opinar não contém desvantagem e não causa prejuízos a quem opina. Qual o quê!

Eis a resposta que chegou do leitor. Ela me queimou as mãos, fez arder meu corpo e meu espírito. Ei-la:

“Paulo Sant’Ana. É com uma tristeza muito grande que li sua coluna de hoje (10-6-2011). Uma pessoa que eu admirava, de repente passa a defender um marginal importado, como se já não bastassem os nossos. O teu câncer é mesmo devastador, pois já corroeu o teu cérebro. (ass.) Pedro Gilmar Rauber (gilmar.rauber@hotmail.com)”.

A violenta ofensa me doeu mais que as dores e os incômodos terríveis que tenho sentido com a radioterapia.

Mais nem posso nem devo dizer.

 

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb