39204  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

O trem do Adoniran

Centenário do nascimento de Adoniran Barbosa é celebrado em especial de TV, CD, livros e filme

Quem nunca cantarolou os versos “Saudosa Maloca, Maloca Querida” ou “Moro em Jaçanã/ Se eu perder esse trem/ Que sai agora às onze horas/ Só amanhã de manhã’’? No ano que marca o centenário do nascimento de Adoniran Barbosa – que veio ao mundo em 6 de agosto de 1910 –, não faltarão homenagens ao compositor dos famosos versos acima, respectivamente das canções Saudosa Maloca e Trem das Onze.

A começar pelo CD 100 Anos de Adoniran Barbosa, que terá artistas relembrando esses e outros sucessos e deve ser lançado logo após o Carnaval. Mas o disco é só um dos tributos: um especial na Globo, da série Por Toda a Minha Vida, a reedição do livro Adoniran: uma Biografia, que chega às prateleiras com novidades, um documentário e shows farão parte das comemorações da data.

Thiago Marques Luiz, produtor do álbum, diz que Adoniran (1910 – 1982) é o grande cronista do cotidiano paulista e brasileiro:

– Ele fala de assuntos pesados, difíceis para a população, mas usa uma linguagem bem-humorada e atemporal.

Ao todo, o disco terá 30 músicas, que ganharão interpretações de nomes como Mart’nália, Wanderléa, Leci Brandão e Arnaldo Antunes. A cantora carioca Zélia Duncan, no álbum, vai emprestar sua voz ao clássico Tiro ao Álvaro. Ela conta que ouvia Adoniran quando era adolescente:

– Amo São Paulo, tenho muitas afinidades com tudo o que é feito na cidade, e Adoniran é um ícone fundamental.

– Ele não foi um gênio, não criava harmonia e melodia elaboradas, mas suas músicas são assimiladas facilmente –completa Marques Luiz.

Espetáculo em São Paulo marca início das homenagens

Enquanto o CD não sai, será dada a largada para o “Ano Adoniran” com o espetáculo Adoniran Barbosa – 100 Anos, em São Paulo, no Sesc Vila Mariana. Subirão ao palco as cantoras Maria Alcina, Cristina Buarque, Virgínia Rosa, Verônica Ferriani, Patty Ascher e Márcia Castro e o sambista Osvaldinho da Cuíca para interpretarem músicas como As Mariposas e Iracema – nem todos os artistas estarão no disco.

Para Patty Ascher, que participa do CD interpretando Acende o Candieiro, Adoniran lembra uma época em que a música podia soar simples.

– Hoje em dia, os cantores querem misturar música eletrônica com MPB. Ele, por outro lado, prova que é possível ser simples e genial ao mesmo tempo – diz a cantora.

Em CD

O CD 100 Anos de Adoniran Barbosa, a ser lançado após o Carnaval, reúne 30 sucessos de Adoniran. Confira alguns convidados:

Zélia Duncan (Tiro ao Álvaro), Wanderléa (Samba do Arnesto), Cauby Peixoto (Bom Dia, Tristeza), Fabiana Cozza (Já Tenho a Solução), Mart’nália (As Mariposas), Thobias da Vai-Vai (Jabá Sintético), Jair Rodrigues (Saudosa Maloca), Leci Brandão (No Morro da Casa Verde).

Na internet

Está previsto para entrar no ar no próximo dia 25 de janeiro o portal www.adoniranbarbosa.com.

Confira o conteúdo:

> Vida e obra do artista.

> Palavras cruzadas e histórias em quadrinhos inspiradas no universo de Adoniran.

> Calendário com os principais eventos programados para o centenário.

> No segundo sementes, site terá uma “versão em papel”, como Almanaque Adoniran.

No cinema

A exemplo de tantos outros ídolos da música brasileira que nestes últimos anos foram temas de documentários, Adoniran Barbosa vai ganhar o seu. A cantora Vange Milliet e a documentarista Aline Sasahara estão à frente do projeto. Segundo Vange, o filme pretende abordar três assuntos:

– O primeiro é a vida mesmo de Adoniran, que, por ter origem italiana, incluiu essa influência em suas composições.

As duas também querem contar a história do samba paulista, relembrando aspectos do gênero no Rio de Janeiro, no Recôncavo Baiano e no interior de São Paulo. E, por fim, querem mostrar que a música de Adoniran continua atual.

– Ele é fundamental para a evolução do samba da cidade – diz Vange, que, em sua pesquisa, afirma ter se surpreendido com a insistência que o sambista tinha em querer ser artista. – Ele ficava em frente às rádios, participava de vários concursos.

Na televisão

No segundo semestre, deve ir ao ar na Globo o programa Por Toda a Minha Vida: Adoniran Barbosa, que mesclará ficção e imagens de arquivo para contra a trajetória do artista.

Dirigido por Fabrício Mamberti, o especial já foi gravado e é protagonizado por Marcello Airoldi e Hugo Napoli. Os dois interpretam Adoniran: enquanto o primeiro dá vida ao sambista na juventude, o segundo é o artista já idoso.

– Ao gravar o especial, as dificuldades financeiras na vida de Adoniran chamaram bastante a minha atenção. Além disso, descobri que a letra da música Tiro ao Álvaro chegou a ser censurada porque tinha palavras escritas de maneira errada – revela Airoldi, que está no ar como o Gustavo da novela Viver a Vida.

Para o papel, o ator mergulhou em vídeos e reportagens sobre Adoniran.

– Foi complicado, pois não há muito material sobre ele antes de se tornar famoso, isso aconteceu quando o músico já estava mais velho – diz.

O Por Toda a Minha Vida já encenou as vidas de, entre outros, Elis Regina, Renato Russo, Tim Maia, Cazuza e Raul Seixas. A temporada 2010 do programa terá como destaques, além de Adoniran Barbosa, ídolos como Cartola, Cássia Eller e Clara Nunes.

(Fonte: Zero Hora online)

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb