39204  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

O BAR DO ARLINDO

por Marcos Rodrigues

Quem entra pelo corredor lateral chega aos fundos da casa, assentada no espigão da Cerro Corá. É um terreno grande, coberto por uma enorme mangueira que emoldura a vista sobre as árvores da Lapa. Ao fundo, a Serra da Cantareira.

Há por lá também uns pés de mexerica, de lima da pérsia e de limão. Tem ainda carambola, romã e um solitário pé de uvaia que, em novembro, perfuma toda vizinhança.

Nesse quintal, há tempos, o Arlindo espalhou umas mesinhas com cadeiras de braço e um banco. Montou um bar que, por falta de nome, chamam de Bar do Arlindo. Abre quando ele fecha a mercearia. Aos que perguntam a que horas fecha a mercearia, ele diz: Na hora de abrir o bar. Assim é o Arlindo.

Ele cuida das bebidas e a mulher, Fátima, serve petiscos variados. Sempre sobre tábuas de cozinha. Assim, os dois atendem a vizinhança e os poucos que vêm de fora. Há por lá também os veteranos do dominó, e um casalzinho que namora sempre no banco da mangueira. O ambiente é sereno, silencioso, agradável. Não tem TV, não tem rádio. Só o canto de pássaros, soltos. Até Veludo, o cachorro do Arlindo, é tranquilo, respeitoso.

Dezembro passado, a uvaia estava perfumada, caindo do pé. Eu pedi pro Arlindo me amassar umas tantas com muito gelo e pouco açúcar. Que usasse gin.
Eu estava bebericando aquela maravilha ao pôr do sol, quando, sem mais nem menos, senta à minha mesa um chato que já me roubara a paz em outras ocasiões. Eu já tinha avisado o Arlindo: Esse cara vai acabar com o seu bar.

O sujeito, sem pedir licença, já sentou falando e não parou mais. Sem pedir perdão, sem dar descanso. Falando alto, falando de si. Sem misericórdia. Em poucos minutos, afugentou a turma do dominó e espantou o casalzinho do banco. Até o Veludo se inquietou.

O desgraçado, sem graça alguma, burro e pouco ilustrado, excretava palavras respingando saliva no meu rosto. Eu abaixava a cabeça e ele seguia descarregando seu lixo na minha mente desprotegida.

Porque respeito muito o Arlindo e não sou dado à violência, fui aguentando. Talvez alguém chegasse. Talvez alguém me salvasse. Talvez ele tivesse um enfarte. Mas nada disso ocorreu. O animal não parava de falar.

Eu já estava perdendo o controle, quando o Arlindo senta à mesa e oferece ao imbecil um enorme copo de uvaia gin: Brinde da casa! Até as sete a boca é livre.

Talvez ele quisesse afogar aquela cloaca, conter a evacuação verbal. Eu não conseguia mais pensar direito.

O idiota seguiu falando por mais dois longos copos. Falava e falava. De suas ideias, de sua importância, de seus feitos. Quanto lixo!

Lá pelas tantas, o Arlindo olhou para mim e disse que a Fátima precisava falar comigo. Eu levantei aliviado e fui para a cozinha.

Ela foi direta: O Arlindo pediu para você pegar essa tábua e, por trás, bater forte na orelha direita do cliente. Só depois entendi porque a direita.

Voltei à mesa decidido, lembrei dos meus tempos de taco, girei o corpo com tudo. Acertei uma tremenda chapoletada na orelha do animal.

O bicho desmontou na hora e a boca, enfim, parou de mexer. Restaurou-se a paz.

O Arlindo arranjou o corpo no chão, com a face atingida para baixo e pegou o celular dele na mesa. Fez umas buscas e ligou: A senhora é a esposa do Nicolau?

Disse que o marido dela havia enchido a cara além da conta, atacara a Dona Fátima e, por fim, desmaiara de cara no chão. Que ela tirasse o corpo de lá em meia hora.

A infeliz chegou com o desafortunado filho, arrastaram o corpo para o carro e pediram desculpas. O Arlindo disse que se ele aparecesse lá outra vez chamaria a polícia. Tinha testemunhas.

Assim é que o Arlindo, com critérios rigorosos e métodos pouco ortodoxos, vem mantendo o alto padrão da casa. Uma das mais exclusivas da noite paulistana. Sequer aparece nos guias da cidade.

*Marcos Rodrigues é engenheiro civil, professor titular da Escola Politécnica da USP e dedica-se também à literatura.

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb