39551  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

LITERATURA

 

UM ESCRITOR À LUZ DA CIÊNCIA DE SEU TEMPO

Euclides da Cunha, cujo centenário de morte se completa hoje, apropriou-se de conceitos então vigentes na psiquiatria para

criar sua obra-prima: Os Sertões

 

O centenário de falecimento de Euclides da Cunha inevitavelmente nos remete a Os Sertões e à época em que o escritor produziu sua grande obra. O final do século 19 e o começo do século 20 marcam um período de grandes transformações e de grandes progressos científicos, inclusive e principalmente na medicina. É o momento da revolução pasteuriana, na qual o laboratório permitirá fazer diagnósticos mais precisos das doenças infecciosas mediante a identificação de germes patogênicos. É o momento em que a tecnologia entra no diagnóstico e no tratamento, por exemplo através dos raios-X.

 

Muitas áreas médicas crescerão então em importância, entre elas a psiquiatria E o pensamento psiquiátrico influenciará, direta ou indiretamente, a visão de Euclides acerca de Canudos e do Brasil. Engenheiro de formação, bacharel em Ciências e em Matemática, adepto do positivismo e do darwinismo, o escritor era um homem culto, informado, que procurava interpretar os fenômenos sociais à luz de conceitos científicos (ou que se pretendiam científicos). Naquele momento a interface psiquiatria-criminologia estava sendo consideravelmente ampliada; cinco conceitos, hoje definitivamente superados, tinham muita importância.

 

O primeiro conceito é o de “loucura moral” (moral insanity) formulado, ainda na primeira metade do século 19, pelo psiquiatra inglês James Cowles Prichard para definir “uma perversão mórbida dos sentimentos, da disposição moral, dos impulsos”, mas sem perturbação do intelecto e sem outros sinais de loucura, como delírios ou alucinações. Esse conceito foi retomado, e modificado, pelo influente Henry Maudsley (1835 – 1918), aliás citado por Euclides no final de Os Sertões (“É que não existe um Maudsley para as loucuras e os crimes das nacionalidades...”). Psiquiatra de enorme prestígio no Reino Unido, diretor de várias instituições especializadas, Maudsley defendia uma abordagem científica dos fenômenos mentais. Para ele, crime e loucura eram apenas faces da mesma moeda; desta forma, no julgamento dos criminosos, a medicina teria um papel tão importante quanto o judiciário.

 

O segundo conceito é o de “psicopatia”, formulado pelo médico alemão J. L. A. Koch e divulgado em livro de sua autoria datado de 1891. Koch falava de pessoas que, sem sinais de doença ou retardo mental, apresentavam, contudo, um rígido padrão de conduta desviante, antisocial.

 

O terceiro conceito é o de “neurastenia” popularizado nos Estados Estados Unidos pelo médico George M. Beard. A palavra neurastenia vem do grego e quer dizer “fraqueza nervosa”, tinha conotação especialmente sombria numa cultura que valorizava a energia, a força. Por isso, a neurastenia, que incluía mais de cem sintomas, tinha de ser combatida, e existiam muitos “tônicos” para tal fim.

 

O quarto conceito é o da “degenerescência”, popularizado pelo francês Benedict Morel em 1857: uma decadência psicológica e mental que, no Brasil, era atribuída à mestiçagem. O quinto conceito é o de “criminoso nato”, formulado pelo médico italiano Cesare Lombroso, cujo centenário de falecimento também ocorre este ano, em outubro. Professor universitário e autor de L’Uomo Delinquente (O Homem Delinquente, 1876). Através dos chamados estigmas, como deformidades cranianas, maxilar grande, testa pequena, zígomas salientes, nariz adunco, lábios grossos, braços longos, mãos grandes, anomalias dos órgãos sexuais, orelhas grandes e separadas, e de característicos pessoais (insensibilidade à dor, cinismo, vaidade, crueldade, falta de senso moral, preguiça excessiva, caráter impulsivo), além da epilepsia, Lombroso procurava identificar indivíduos que inevitavelmente seriam criminosos. Seus seguidores no Brasil incluíam o filósofo e jurista Tobias Barreto e o médico baiano Raimundo Nina Rodrigues, que era contemporâneo de Euclides e a quem coube a tarefa de examinar, à luz dos critérios lombrosianos, a cabeça decapitada de Antonio Conselheiro. Baseado nas ideias de Lombroso, Nina Rodrigues defendia os conceitos de tara hereditária e também o de degenerescência, o mulato sendo particularmente afetado.

 

Influenciado por esse clima de ideias, não seria de admirar que Euclides, enviado a Canudos para fazer a cobertura jornalística do conflito de Canudos, visse nos seguidores de Antonio Conselheiro tipos degenerados, inferiores: loucos morais, ou psicopatas, ou mesmo criminosos natos. E de início foi o que aconteceu. Como Nina Rodrigues, Euclides achava que Conselheiro seria portador de uma constituição mórbida, paranóica. Seus adeptos não eram de estirpe melhor: “gente ínfima e suspeita”, avessa ao trabalho, uns vencidos.

 

Euclides não estava sozinho nestas considerações. Ruy Barbosa descrevia os habitantes de Canudos como “idiotas e escravos de galés”. Mas o livro mostra como Euclides mudou de opinião. O autor que falava de “mestiços neurastênicos” acabará por fazer uma verdadeira eulogia do brasileiro humilde. No famoso trecho que começa com “O sertanejo é, antes de tudo, um forte”; descreve-nos o sertanejo como um homem que, aparentemente “desgracioso, desengonçado, torto”, transfigura-se diante dos desafios, transformando-se em “um titã acobreado e potente” com “força e agilidade extraordinárias”.

 

Como diz Berthold Zilly, professor da Freie Universität Berlin, tradutor e estudioso de Os Sertões: “Euclides da Cunha chamou a atenção para os excluídos em obra fundadora da nacionalidade. (...) O ideólogo republicano e cientificista Euclides da Cunha cada vez mais cede lugar ao patriota e homem cheio de empatia e de compaixão”. Neste sentido, observa Zilly, ~kk,Euclides precedeu o Gilberto Freyre de Casa-Grande & Senzala, ao mostrar que a mestiçagem não é um fator de inferioridade como até então se sustentava. O que o coloca, de forma definitiva, na categoria dos grandes intérpretes do Brasil.

 

MOACYR SCLIAR - ESCRITOR (para ZERO HORA)

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb