39551  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

Sobre "O menor (e melhor) conto de fadas do

 mundo"

por Silvano Gross

Andei vendo algumas publicações e, nelas, muitos comentários, geralmente a favor do referido "conto de fadas". Pois bem, resolvi entrar na brincadeira e também deixar meu comentário.

Primeiramente, vamos ao texto mencionado:

 

"Era uma vez um jovem rapaz que pediu uma linda e virgem moça em casamento:

- Quer casar comigo? – indagou o jovem.

No que ela, implacável, responde:

– Não!!!

E o rapaz viveu feliz para sempre: foi pescar, jogou futebol, conheceu muitas outras mocinhas (umas indefesas, outras nem tanto), saboreou-se de todas elas, visitou muitos lugares, estava sempre sorrindo e de bom humor, nunca lhe faltava dinheiro, nunca discutia nem brigava, bebia cerveja com os amigos sempre que estava com vontade e ninguém mandava nele.

Já a mocinha linda e virgem da história teve celulite, varizes, engordou, os seios caíram, ferrou-se toda e ficou sozinha… para sempre."

(Desconheço o autor verdadeiro)

 

E, se a resposta fosse diferente. Vejamos...

 

"Era uma vez um jovem rapaz que pediu uma linda e virgem moça em casamento:

- Quer casar comigo? – indagou o jovem.

No que ela, suave,mas decidida, responde:

– SIM!!!

E o casal viveu uma vida feliz para sempre: ele sempre tinha alguém para lhe fazer companhia incondicional nas pescarias; nunca lhe faltou torcida nos jogos de futebol (mesmo sendo um "perna de pau"); pode conhecer e reconhecer sua esposa melhor a cada dia que passava, deliciando-se com cada momento vivido ao lado dela, seja nos insuportáveis dias de verão ou nas geladas madrugadas de inverno (eta abraço gostoso aquele do meio da madrugada, hein?); sempre teve alguém para fazer aquela foto especial nos lugares mais lindos onde esteve; seu dinheiro sempre foi aplicado da melhor forma, no sentido de construir uma vida estável e confortável, sem desperdícios; ouviu muitas broncas e resmungos quando fez coisas erradas, o que lhe fez amadurecer e ver qeu a vida não é apenas farra; bebia cerveja com os amigos sempre que dava vontade, mas agora com muita responsabilidade, não porque alguém mandava nele, mas porque ele tinha um "porto seguro" para lhe receber.

Já a mocinha linda e virgem da história pode até ter ficado com celulite, varizes, um pesinho a mais, seus seios não fugiram à lei da gravidade, mas teve um companheiro que deu total apoio, compreensão e amor e, por isso, aceitou passar por todas as modificações no seu corpo para dar à luz um(a) (ou mais) lindo(a) filho(a).

Desta forma, os dois desfrutaram de nove meses de uma espera maravilhosa, acompanhando o crescimento de uma vida dentro da barriga dela, de uma vida que surgiu a partir do amor dos dois. Viram a barriga mexer, por movimentos involuntários, por espriguiçadas ou, até mesmo, por soluços.

Planejaram o parto (não importa de que forma) e aguardaram anciosos a vinda daquele rebento. Assim, aquele rapaz teve alguém a quem ensinar a pescar; alguém a quem ensinar a jogar futebol (mesmo que seja uma menina!); alguém a quem ensinar como o mundo é belo e como devemos aproveitá-lo ao máximo, sempre preservando-o; alguém a quem ensinar como montar uma barraca nos acampamentos; alguém a quem ensinar como fazer um fogo de chão, assar um bom churrasco, cevar um belo mate e montar a cavalo (para aqueles que cultivam as tradições gauchas, é claro).

Esse cara pode, enfim, envelhecer despreocupado, pois sabia que teria uma esposa maravilhosa ao seu lado e uma família numerosa para contar seus "causos", pois estava vivendo JUNTO E FELIZ PARA SEMPRE!"

 

Epílogo...

E quanto ao rapaz da primeira história...

Como ele preferiu viver sua vida sozinho, nas farras noturnas, gastando todo seu dinheiro, vivia embriagado e/ou cansado demais para trabalhar direito. Ficou desempregado, teve qeu sobreviver de "bicos", e como não tinha mais dinheiro, seus "amigos" desapareceram. Envelheceu sozinho e nunca teve a quem recorrer quando precisou de ajuda, nas horas tristes, nos dias frios...

 

Silvano Gross.

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb