38791  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

Provocação, degradação e beleza em “As Flores do Mal” de Charles Baudelaire

por Diego Santos Fehlberg

Há em Baudelaire uma estratégia da linguagem que incorpora uma realidade apresentada como grotesca em relação ao sublime, comumente apresentado no romantismo, como uma espécie de provocação ao leitor. Sob estes aspectos podemos dizer que ele utiliza o horror sem esperanças e o desespero irrevogável para criar essa atmosfera de sublime sombrio. O próprio título da obra, As Flores do Mal, nos provoca e remete a esta relação, entre as flores como objeto sublime e o mal como quebra desta sublimação normalmente apresentada pelo romantismo.

“A unidade sintática, o ritmo grave e as figuras retóricas combinam-se para emprestar ao poema uma atmosfera de sublime sombrio, em perfeita consonância com o profundo desespero que expressa.” (AUERBACH, P. 84)

A abordagem de Baudelaire causa choque e estranhamento e estes recursos combinados contribuem para a criação desta atmosfera apresentada nos poemas de As Flores do Mal, onde a esperança parece inexistir. O autor faz este contraste entre a degradação e a beleza mantendo seu estilo misto que muitas vezes foi encarado por seus críticos como “inconsistência de estilo” (AUERBACH, P. 86).

 Há em seus poemas uma provocação aos seus leitores, que os remete a pensar o elevado como rebaixado e também ao contrário. O baixo e o renegado, socialmente falando, como o sublime. Desta sua maneira de ser e sob sua abordagem literária originaram-se na França os poetas “malditos” e não é a toa que este poeta tenha marcado presença, influenciando a poesia internacional de tendência simbolista.

Exatamente esta abordagem que Baudelaire traz em seus poemas, suas flores do mal, onde apresentam a degradação e a beleza em convivência, construindo esta atmosfera que nos é apresentada como um sublime sombrio angustiante, que funciona como um convite a sua leitura, e é válida não somente por se tratar de um clássico, mas também por carregar consigo o sentimento e a visão de Charles Baudelaire.

 

 

 

REFERÊNCIAS:

 

AUERBACH, Eric. Mimesis. São Paulo: Perspectiva, 1994 [1929].

BAUDELAIRE, Charles. As Flores do Mal. São Paulo: Nova Fronteira, 1985.

 

Diego Santos Fehlberg é formado em Letras pela Faculdade de Formação de Professores e Especialistas de Educação - FAFOPEE - e é pós-graduado em literatura brasileira pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS -.

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb