38791  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

 

Reforma ortográfica: não engula este engodo!

por Clóvis da Rolt - professor

Neste primeiro artigo de 2009, sinto-me tomado por uma indecisão: devo escrever como o Sarney quer que eu escreva? Para os desavisados, não custa lembrar que estão em vigor as novas regras de ortografia para os países que falam a língua portuguesa, o que inclui o Brasil. O feito é resultado das maquinações cerebrais de ninguém menos que José Sarney, que, desde a década de 1990, vinha tentando emplacar a adesão do Brasil à reforma ortográfica.

Grandes intelectuais, escritores e estudiosos brasileiros já se manifestaram contra a reforma baseados em inúmeros argumentos. A maior violência da reforma, segundo penso, reside no fato de que ela não considera a língua um elemento de coesão nacional, mas um produto de barganha comercial e geopolítica típico do pensamento pré-inteligível da maioria de nossos políticos.

As mudanças parecem simples, mas causarão um estrago de grandes proporções. A reforma de 1971, proposta por Jarbas Passarinho, é um exemplo claro de que três ou quatro gerações não são suficientes para assimilar as alterações na forma escrita da língua. Palavras como “idéia” e “azaléia”, desde o primeiro dia do ano de 2009, perderam o acento agudo e passaram a ser grafadas “ideia” e “azaleia”. Mas e as palavras “meia” e “aldeia” – dirão alguns –, que nunca tiveram acento? Ora, elas continuarão sem acento, só não sei que mágica os professores farão para ensinar a uma criança que está sendo alfabetizada que “ideia” e “aldeia”, embora se pareçam na grafia, distinguem-se na sonoridade pela pronúncia, já que era o acento que cumpria essa função distintiva.

Há vários estudiosos da língua que também aludem à visualidade do texto escrito como argumento central para o repúdio ao acordo ortográfico. Isso quer dizer que inúmeras palavras estão memorizadas em nosso repertório de signos sem que seja necessário sabermos as regras ortográficas ao pé da letra. Isso é muito comum em pessoas que têm o hábito da leitura e que aprendem o código escrito da língua pela visualidade do texto.

O que é mais grosseiro neste acordo é a alegação que sustentou suas bases políticas, segundo as quais haverá maior unidade cultural entre os países falantes da língua portuguesa. Não precisa pensar muito para constatar que isso é um descalabro. Alguém é capaz de lembrar qual foi o último romance que leu de um autor africano? (Mia Couto não vale, porque ele está na moda.) Será que depois deste acordo teremos uma avalanche de autores de Cabo Verde e do Timor Leste nas bibliotecas de nossas escolas? Trocaremos uma pós-graduação na França, nos Estados Unidos ou na Alemanha por uma na Guiné Bissau, já que agora estamos – legalmente, diga-se de passagem – irmanados aos africanos falantes do português?

José Sarney é mais um sujeito frívolo que bate continência à mistificação globalizante que prega que estamos todos num mesmo caldeirão cultural planetário. Contudo, são ingênuos os que pensam que a língua portuguesa ficará mais fácil sem alguns acentos ou com as novas regras de hifenização; pelo contrário, ela terá uma complexidade a mais, que se refere ao desaprendizado da grafia antiga para a assimilação da grafia nova. Não teria sido mais simples, ao invés da reforma, investir dinheiro público em programas de qualificação do ensino da ortografia da língua portuguesa escrita no Brasil até 2008?

Como não sou um sujeito muito integrado ao legalismo que tem a pretensão de comandar nossas vidas, sugiro aos meus leitores que continuem escrevendo como sempre escreveram. A língua não tem certo ou errado, pois ela é uma construção social totalmente arbitrária; se não é fruto de violências colonialistas, é fruto de dominação simbólica. E digo isso baseado num argumento muito simples: quem constrói a língua são os seus usuários e não a lei. Aliás, a própria lei tem como matriz o texto escrito, ou seja, ela é um duplo absurdo. A língua não é um fato primordial que nasce com o sujeito, visto que ela é aprendida, assim como se aprende a comer usando talheres. Tanto uma prática quanto a outra envolvem decisões que estão na base do poder legitimador dos estratos sociais mais fortes sobre os mais fracos. Comer usando as mãos, portanto, não é certo nem errado, é apenas uma forma de comer dentre tantas outras possíveis.

No âmbito desta patuscada legalista, uma coisa é certa. Os leitores brasileiros, portugueses e africanos podem ficar sossegados, pois os livros de José Sarney (que também é escritor – pasmem!) não serão encontrados em nenhuma livraria em edições comemorativas ao novo acordo ortográfico. Isso porque sua obra é tão irrelevante para a cultura nacional, que continuará eternamente empoeirada em meio aos tremas e acentos que ele tanto detesta. O máximo que seu intelecto renderá é um busto no átrio das personalidades mais descartáveis da história brasileira.

Fonte: ZERO HORA.com

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb