38791  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

Viagem rumo a lugar nenhum

“A Estrada” mostra a luta pela sobrevivência de pai e filho na Terra desolada por um cataclismo e entregue à barbárie

     No fim dos tempos, quando mais nada restar além da espera incerta pelo amanhecer seguinte, o que impediria um homem de virar fera e se entregar à barbárie? Essa é uma questão premente em A Estrada, filme que entra em cartaz hoje sustentado pela seca e impactante narrativa em um cenário pós-apocalíptico e pelo excepcional desempenho de seus protagonistas, Viggo Mortensen e o garoto Kodi Smit-McPhee.

     A Estrada é uma adaptação do romance homônimo de Cormac McCarthy, mesmo autor do livro que inspirou o oscarizado Onde os Fracos não Têm Vez, dos irmãos Coen. A aclamada obra de McCarthy (veja no destaque) ganhou do diretor australiano John Hillcoat tratamento à altura. O filme preserva os tons de mistério, melancolia, suspense, violência e, sobretudo, a reflexão moral do texto original, sem fazer as concessões que o espectador encontraria numa grande produção de Hollywood. A Estrada não é filme para se ver comendo pipoca. Não à toa, o longa, selecionado para disputar o Leão de Ouro no Festival de Veneza, passou batido pelos cinemas americanos.

     Mortensen e McPhee interpretam pai e filho que vagam pelos Estados Unidos após um misterioso cataclismo que aniquilou praticamente toda a vida na Terra. Enquanto definham por fome e sede, eles cruzam com outros poucos sobreviventes, entre eles os que se entregaram ao canibalismo e ao comércio da agora valiosa carne humana. O pai guia a viagem rumo ao sul, em direção ao mar, sem muita esperança do que encontrar lá. É mais uma vaga motivação para seguir em frente. Lembra sempre ao menino que a primeira providência diante de um incontornável perigo é se matar com uma das duas balas carregadas no tambor do revólver.

     O drama teve início cerca de 10 anos antes, pouco antes de o guri nascer. A mãe (Charlize Theron) cansou de esperar pela morte confinada em casa e saiu porta afora. As lembranças dela são os únicos momentos de cor no cenário cinza da desolação. Recordar os tempos de felicidade ao lado da bela mulher é para esse homem mais pesadelo que sonho. Resta-lhe agora ser aos olhos do filho a figura que um menino desenha do pai. Mas ser exemplo de retidão moral, coragem, afeto e conhecimento é um papel tão doloroso de cumprir naquelas condições como a luta diária por cada resto de alimento e contra os mais sórdidos perigos.

     Seria tentador a Hillcoat, caso buscasse um melhor resultado comercial para A Estrada, centrar o foco mais na ação que na reflexão – como visto, por exemplo, numa comparação temática, em filmes como A Lenda. Mas ao trabalhar sem o respaldo de um grande estúdio e de um grande orçamento, o diretor pôde garantir sua autonomia autoral e respeitar, mais que a obra de McCarthy, a inteligência e os sentidos do espectador.

Fonte: MARCELO PERRONE para Zero Hora

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb