38791  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

 

Um recanto para a poesia

Há 13 anos, o jornal Letras Santiaguenses, na Região Central do Estado, divulga a produção poética

Em Santiago, o destino de boa parte dos versos de poetas era ir para a gaveta. Foi por isso que os professores e amigos Auri Antônio Sudati, Zé Lir Madalosso e Aldacir Fiorenza Couto decidiram fundar o jornal Letras Santiaguenses.

A publicação bimestral, de 12 páginas, seria veículo das crônicas e poesias dos nativos da cidade. Hoje, 13 anos depois da fundação, seus preciosos espaços são disputados por escritores de todo o Estado, de diversas partes do Brasil e até de outros países, como Cuba, Espanha e Portugal.

– Morei em Santiago por quase 30 anos. Estou em Santa Maria há sete. Mas insisti para que pessoas de fora participassem para dar mais vitalidade ao jornal – disse Sudati, atual presidente da Casa do Poeta de Santa Maria (Caposm).

Por tradição, sempre há dois ou três autores novos a cada edição. Outra prática tradicional do Letras Santiaguenses é ter na capa uma entrevista ou reportagem sobre autores conhecidos – sejam eles prata da casa ou grandes nomes, como Machado de Assis. O costume, conta Madalosso, começou com uma visita do santiaguense Caio Fernando Abreu à terra natal, em 1996.

– Naquela época, já estava muito doente e, dias depois, morreu. Então, fizemos uma homenagem na segunda edição do jornal. Desde então, há sempre um escrito homenageando um autor na capa – explica Madalosso.

Uma tradição mais recente é a presença de um busto e de um verso de um poeta célebre no cabeçalho do jornal.

Empenho para continuar com trabalho de divulgar a poesia

Diariamente, Sudati e Madalosso (Couto deixou o projeto anos atrás) recebem poemas e textos de toda parte. Cada edição conta com pelo menos 70 autores que, para serem publicados, devem pagar uma taxa de até R$ 15 – dinheiro que custeia as despesas de editoração gráfica e impressão.

Depois de escolhidas as peças, o material é enviado, por e-mail, para Bento Gonçalves, onde o jornal é diagramado. Por fim, a impressão é feita em Santo Ângelo. Uma tiragem de 3,1 mil exemplares custa R$ 1 mil.

– Não dá para ter lucro. Somos praticamente uma cooperativa de autores que têm o apoio de algumas empresas, que a gente anuncia no jornal. O dinheiro recebido serve para pagarmos as despesas, já que enviamos muitos jornais para bibliotecas, empresas, escolas. Custa R$ 1 cada exemplar enviado como impresso – explica Sudati.

Por tanto trabalho, é comum que Sudati e Madalosso tenham de responder perguntas do tipo “vale a pena?”. Numa época em que os blogs são usados para dar visibilidade a textos e ideias pessoais, a pergunta faz sentido. Mas eles têm resposta para isso.

– A coisa bonita do jornal é tirar o trabalho da gaveta. E é diferente ler no computador e ler no livro. Para a gente que é poeta é diferente. Não sei por quê. A internet é extraordinária, a gente usa, mas o jornal a gente pode levar a toda parte – opina Sudati.

– Tu não gostas de ver o teu trabalho impresso? Nós também. Temos sangue de tinta, acho – argumenta Madalosso.

Tatiana Dutra para a ZERO HORA

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
A Jangada de Pedra, por Diego S.Fehlberg
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb