39204  ACESSOS

PORTUGUÊS E POESIA

 

“A jangada de pedra” de Saramago

 

*Diego Santos Fehlberg

 

A obra “A jangada de Pedra” de José Saramago trabalha intensamente a questão do nacionalismo, salientando de forma interessante e com tom de crítica as reações dos europeus em relação à península ibérica.

Yves Reuter nos diz em Introdução à análise do romance que: “O romance tira proveito de sua aptidão para apropriar-se dos novos valores ligados às mutações sociais.” E é deste aspecto que Saramago se apropria para escrever seu romance, utiliza-se de um momento em que Portugal está sendo anexado a União Européia para fazer sua crítica e marcar uma época de mudança em seu romance. Com isso faz uma crítica à maneira como Portugal e Espanha são tratados dentro da Europa, como se fossem países de “segunda linha” dentro do continente.

Ainda em Introdução à análise do romance de Reuter: “Aparece como gênero da liberdade, escapando à submissão as antigas regras permitindo uma inovação formal ou temática. A priori sem limites, pode falar tanto do individuo (toda a leitura do EU) quanto ao social. Pode ainda abarcar idéia de progresso por seu engajamento ou crítica social, pela produção de uma nova visão de mundo (...)”. Através de acontecimentos fantásticos protagonizados pelos personagens principais, Saramago inova em sua temática, quando a península se desprende e se joga em uma jornada pelo mar. Este romance trata do problema com uma intenção especial através dos seus acontecimentos e desenrolar, não importando se ele segue regras lógicas, porque não tratamos aqui da vida real e sim de um romance, por sinal muito bem elaborado, mas que não deixa de ser uma obra ficcional mesmo fazendo crítica a uma realidade que é o preconceito sofrido pelos povos da península e embora retratando o sentimento do autor, ainda é uma ficção. Todorov nos diz que a literatura não é um discurso que possa ou deva ser falso e que não faz sentido levantar essa questão. É sob este olhar que acredito que os romances devam ser lidos, porque a arte tem a opção de criar sua própria realidade.

Enfim, pode-se analisar esta obra, a simbologia de seus acontecimentos, o tempo psicológico, as conseqüências, como em qualquer romance, e deve-se levar em conta o engajamento na crítica e a visão de mundo do autor, mas não se deve exigir uma lógica em seus acontecimentos embora possa haver porque o romance não exige um tempo cronológico e sua lógica pode não existir. 

 

 

*Diego Fehlberg é pós-graduado em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul -UFRGS

 

 

Carpinejar esteve na Feira de Camaquã
31ª Feira do Livro de Camaquã
I Festa da Leitura da escola Ana Cesar
XIX Congresso Brasileiro de Poesia
Conto: O Bar do Arlindo
Turma de Letras promove Fórum
A inusitada resposta para Sant'Ana
A arroba nos endereços eletrônicos
A literatura de cordel
O menor (e melhor) conto de fadas
Escola Otto recebe exposição
Uma noite no meio dos livros
Borracharia vira biblioteca
S.O.S. São Lourenço
Morre o grande Moacyr Scliar
A dupla GRENAL e seus hinos
Vale a pena ressuscitar S. Holmes?
Profa supera deficiências p/ ensinar
Assis Brasil será secretário de cultura
O resumo do XVIII Congresso de Poesia
XVIII Congresso de Poesia em Bento
Ficção: presente e passado conquistam fã
Livros mais vendidos da semana
A universalidade de Saramago
Balanço da 30ª Feira do Livro por Catulo
Sucesso na 30ª Feira do Livro
30ª Feira do Livro
As 200 línguas do Brasil
Os campeões do ENADE
Tecnologias substituem giz e quadro
Alternativos culturais: conheça 25
A Estrada em filme
CAPOCAM 21 anos e 14ª sem. poesia
Por que as mulheres leem mais?
Morre José Mindlin
A redação nota máxima da UFRGS
Adoniran Barbosa: 100 anos
Pe. Fabio de Melo lidera vendas de Cds
Cora Coralina: grande poeta de Goiás
Feira mantém tradição, apesar da chuva
Mau tempo prejudica a Feira
Feira do Livro de Camaquã 2009
Célia Ribeiro dá dicas para autores
55ª Feira do Livro de Porto Alegre
Jornada Literária de Passo Fundo
XVII Congresso de Poesia
Ganymédes José, um grande autor
Feira do Livro de São Lourenço do Sul
Um recanto para a poesia
A arca das letras
Pouca idade, muita vontade
Vinte anos sem Raul Seixas
Frases de jogadores de futebol
100 anos da morte de Euclides da Cunha
Thedy Corrêa prestigia Feira de Chuvisca
A 3ª Feira do Livro da Chuvisca
O mito Michael Jackson
O humor de Danilo Gentili do CQC
Camaquenses são destaque no RedAÇÃO ZH
Camaquã recebe homenagem em poesia
Melhores sites p/ compra e troca livros
Invista na leitura!
Brincadeiras com eufemismos
Reforma ortográfica: não engula...
Novas regras ortográficas em 2009
Nova casa para os livros
15º Açorianos de Literatura
Os livros mais vendidos da semana
Congresso entrega livros
A campeã gaúcha do ENEM
A religião da gramática
Memória daquela juventude
Humor nos anos 50
Versões de ditados populares
Os 100 anos de Cartola
Congresso Brasileiro de Poesia
Dicas para uma boa escrita
Millôr: 85 anos
A importância de não saber e saber
A diferença entre mitos e lendas
A história de Paulo Coelho
O hilário Barão de Itararé
Baudelaire, por Diego S. Fehlberg
Erico e o vento intertextual
Escritores mais admirados
Morre Zélia Gattai
Humor: Um Dia de Merda
Erro de ortografia
Diego S. Fehlberg
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb