39553  ACESSOS

CRÔNICA

 

O curso de datilografia

por David Coimbra

 

     Houve época em que as pessoas faziam curso de datilografia. Com máquina de escrever, e tudo mais. Tratava-se de algo até meio obrigatório, o curso de datilografia. Nos anúncios de emprego sempre ficava sublinhada a exigência do curso. Sem curso, melhor nem se candidatar. Então, fi-lo. Não porque qui-lo; por ser indispensável.


A professora era uma freira de uns 125 anos de idade. Andava por entre as mesas muito sisuda dentro daquela roupa preta, sempre ressaltando a importância da datilografia para o futuro de uma pessoa. Rosnava que a datilografia era fundamental para qualquer profissão, do presidente da República ao gari, que nenhum ser humano podia ser feliz sem a datilografia, que, se não aprendêssemos a datilografar, nunca conseguiríamos emprego em lugar algum.


– Nunca! – sublinhava, com voz roufenha. – Nunca! Nunca! Nuuuuncaaaaa!


Acho até que dava uma risada de filme de terror. Ou pelo menos eu imaginava que dava. Ela estava sempre em cima da gente, insistindo para que usássemos os 10 dedos para datilografar, para que não olhássemos para o teclado. Um dia, cobriu as teclas com fita isolante. Foi horrível.


– Mostrem do que são capazes! – urrou.


Aquilo tudo me deixava nervoso. Imaginava-me morando sob os viadutos da cidade, andrajoso, pedindo esmolas, desempregado pela eternidade, porque não datilografava. Considerava a datilografia nada mais do que uma atividade manual, era revoltante que fosse tão importante. Mas todo mundo dizia que era. As pessoas comparavam o número de palavras que batiam à máquina por minuto e contavam histórias datilográficas. Uma secretária de dedos velocíssimos e precisos ganhava um salário nababesco do Banco do Brasil; o tio de alguém datilografava apenas com os indicadores, mas com tanta rapidez que saía fumaça da máquina. Os lentos eram alvo de chacota, chamados pejorativamente de “catadores de milho”. Oh, eu sentia muito medo de ser considerado um reles catador de milho. Por qualquer razão, vinha um e me perguntava se já sabia datilografar. Eu gaguejava na resposta. A verdade é que decorei aquilo do a-essedê, efegê; cecedilha-elecá, jotagá. Tinha pesadelos com essa maldita seqüência. Mas, confesso, ainda não sabia datilografar direito. Que situação, que tormento.


Aí consegui emprego no escritório da JH Santos, uma loja de departamentos.


– Sabe datilografar? – perguntou-me o chefe, na entrevista.


- Eu? Claro! Tenho curso!


Decidi que na hora daria um jeito. A hora surgiu já no primeiro dia. Vieram-me com, segundo eles, um documento importantíssimo:

– Bate aí. E sem erros!

E lá estava eu, em frente à Remingtona, com aquele documento importantíssimo nas mãos. Lembrei-me da freira. A-essedê-efegê, cecedilhaelecá-jotagá. Meu futuro estava em jogo. E agora? Comecei a bater à máquina. Na primeira linha, perdi o b. Fiquei procurando. Onde havia se metido o bê? Que rebeldia era aquela? Percebi que os colegas estavam me olhando. Me deu uma angústia. Será que achariam que era um catador de milho? Será que devia deixar o bê para mais tarde? Encontrei-o, enfim. Mas cometi um erro logo após teclá-lo. Foi o primeiro de muitos. Em seguida, cometi outro. E outro. E outro. E mais outro. Cristo! Nenhum Errorex poderia me salvar. Fiquei vermelho. Suava. As pernas estavam bambas, parecia que tinha maionese em lugar dos ossos. O chefe foi conferir o trabalho. Deu uma espiada sobre meu ombro. Torceu o nariz:


– Tu não disseste que era datilógrafo?

Puxou o papel da máquina. Temi ser demitido no ato, mas ele resolveu ser condescendente.


– Melhor desistir. Vou achar outro serviço pra ti. Um que não precise bater à máquina.


Aquilo me encheu de vergonha. O opróbrio!, pensei. A desgraça! Como poderia olhar nos olhos dos meus amigos, depois de fracasso tão rotundo? Levantei-me de um salto.


– Não! – gritei. – Me deixa tentar de novo! Datilografarei! Por Deus que datilografarei!


O chefe vacilou, com o documento importantíssimo entre o indicador e o polegar, mas, depois de pensar um pouco, devolveu-o para mim. Bati mais três vezes. Na quarta, saiu perfeito. Entreguei-o vitorioso para o chefe, que fez um arram de aprovação e se foi para o seu gabinete com o papel imaculado na mão. Naquele dia, tornei-me um datilógrafo. Não hesitava mais. Não catava milho. Confiança, era disso que precisava.

 

O que não sei é como eles fazem hoje, todos esses jovens e até crianças que passam o dia sobre teclados de computador. Hoje não há mais freiras dando cursos de datilografia. Hoje nem existe mais datilografia. Como eles aprendem? Sozinhos??? Isso quer dizer que eu não precisava fazer curso de datilografia??? Que aqueles dias de aflição foram em vão??? Que nem nas freiras se pode confiar??? Quanto sofrimento desperdiçado, meu Deus!

 

 

(fonte: Zero Hora)

 

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb