39546  ACESSOS

CRÔNICA

Um homem que educava pelo exemplo

por Rosângela Florczak - jornalista

Morreu um homem bom. Educador de qualidade, daqueles eruditos que dominam as mais diversas ciências, línguas e saberes, mas, além do conhecimento, possuem a sabedoria de ensinar com simplicidade, a quem quiser aprender. Firmino Biazus, 75 anos, irmão marista, diretor do Rosário há 13 anos, uma vida dedicada à educação de jovens, crianças e adultos. Dedicada também à bondade e à generosidade. De alma sensível e coração comovido, não suportava a injustiça, sofria com as desigualdades e chorava, sem disfarçar, diante das belezas e manifestações de vida.

Viveu e morreu discretamente e sem alarde. Apesar da sabedoria invejável expressa nas crônicas, artigos e textos em geral que construía com a habilidade de um grande escritor, a modéstia o tornava tímido para defender verbalmente as ideias que, segundo ele, nunca estavam prontas e sempre podiam ser melhoradas. Admirado pelas crianças e jovens das escolas pelas quais passou como professor ou diretor, sempre se julgava em débito de atenção com estudantes e famílias que atendia pacientemente em qualquer época do ano.

Sem férias, por opção, e com lazer restrito às longas caminhadas que fazia pelas ruas da cidade, segundo ele, para admirar as belezas de Porto Alegre, podia ser encontrado sempre no colégio. O que incluía os sábados, dias de expediente normal para ele. O gabinete, sempre de portas abertas, era lugar de ouvir, ouvir e ouvir a todos para partilhar alegrias, novidades, notícias, lamentos, desabafos, negociações e despedidas. Nem mesmo a mais difícil das conversas ele evitava. O tom de voz inalterado e o vocabulário elegante não deixavam escapar a contrariedade que só era percebida pelos mais chegados, que liam em alguns movimentos do seu rosto eventuais insatisfações com o rumo do diálogo.

Próximo de completar 76 anos, não se intimidava diante da tecnologia. Comunicadores instantâneos, serviço de e-mails e, ultimamente, até algumas aventuras pela rede social o mantinham absolutamente sintonizado com os recursos de comunicação oferecidos pelo nosso tempo. Mas, nunca, nada substituiu a leitura sistemática de bons livros, a conversa franca olho no olho, um telefonema, ou ainda, a alegria de um abraço e uma bênção pronunciada na chegada e na saída de um ambiente.

A sua morte comove a todos os que o conheceram. Milhares de estudantes que tiveram o privilégio de usufruir de suas aulas; alunos e famílias que com ele conviveram como diretor de colégios maristas; funcionários e professores que a ele prestavam contas de seus trabalhos, irmãos maristas, familiares e comunidade. Discreto como sempre viveu, assim escolheu morrer. A doença surpreendentemente rápida, que pela primeira vez, em 13 anos, fez com que ele faltasse ao trabalho no colégio, o manteve alguns dias no hospital, tempo suficiente para que os amigos se despedissem, e o levou. Morreu um homem bom. Morreu um educador brilhante. Duas qualidades cada vez mais raras. Ficam como legado os melhores exemplos de alguém que soube dar sentido à vida.

Fonte: ZERO HORA online

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb