39193  ACESSOS

CRÔNICA

 

COMO LIDAR COM O DIFERENTE 

por Elaine Lauck - prof. e especialista em Literatura

De acordo com artigo 58 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) no 9.394/96, entende-se por educação especial a modalidade de educação escolar oferecida na rede regular de ensino para educandos portadores de necessidades especiais (PNEE). No processo de desenvolvimento tecnológico e científico que avança o século 21, observamos que as metas, traçadas em lei, estão longe de ser atingidas. Afinal, a sociedade em que vivemos só aceita os iguais, não o diferente.

Hoje, lidar com o “deficiente” tem como paradigma a idéia de pessoa portadora de necessidade especial. Já não cabe pensar deficiente como segmento à margem da sociedade, mas como pessoa que tem suas limitações e potencialidades. Nesse sentido, é importante enfatizar a conquista do espaço e garantir esse progresso.

Para que a inclusão tenha significados positivos, é necessário que os estabelecimentos de ensino eliminem barreiras arquitetônicas e adotem práticas adequadas às diferenças. É preciso inovar, que não tem necessariamente o sentido do inusitado. As grandes inovações são, muitas vezes, a concretização do óbvio, do simples, do que é possível fazer.

As estimativas apontam que existem no Brasil, atualmente, cerca de 16 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência. Desses, 30% têm deficiência moderada ou severa, e 70%, um tipo de deficiência leve. Portanto existe muita gente ainda que pode desenvolver algum tipo de trabalho, mas ainda está isolado do convívio profissional. Disponibilizar trabalho para essas pessoas não é caridade, mas, sim, respeitar o princípio básico da igualdade perante a sociedade.

A inserção das pessoas portadoras de necessidades especiais no mercado profissional representa grande conquista e avanço, primeiro porque cria a possibilidade de que seja incorporada uma parcela significativa da população que, na grande maioria, ainda se encontra à margem do processo produtivo; e, segundo, porque resgata a sua cidadania e dignidade.

Enfim, todos nós precisamos direcionar nosso olhar para a inclusão tanto no âmbito escolar quanto no profissional. Assim, estaremos lutando por causa justa, erguendo bandeira estampada de amor e solidariedade e, principalmente, contribuindo para uma nação mais igualitária e democrática.

 

(fonte: Zero Hora online)

 

 
 
Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb