39215  ACESSOS

CRÔNICA

 

A síndrome da notícia ruim

 

Não agüento mais ouvir falar do caso Isabella. Não suporto mais a cara de sonso do pai, o choro falso da madrasta, a frieza do avô/advogado paterno. Não tenho mais paciência para a disputa de egos e holofotes entre as delegacias, a promotoria e a defesa. Não tenho estômago para ver a multidão de linchadores que apedreja carros e tira seus filhos da escola para assistir a esse circo. Não entendo como se transforma um crime hediondo numa novela das 8 em capítulos. Não é plausível que se tente fechar parte do espaço aéreo de São Paulo para reconstituir o crime durante um domingão de lazer familiar.

Não tenho nenhuma esperança de que os assassinos dessa menina de 5 anos sejam exemplarmente punidos. Não com as nossas leis, mais rigorosas com seqüestros que com homicídios. Não com nossa proteção legal e leniente aos criminosos com grana e status social. Talvez por isso a sociedade esperneie tanto. Por saber que não há prisão perpétua para monstros no Brasil. Especialmente se tiverem diploma universitário e vierem da classe média ou alta. É só conversar com taxistas. Eles dirão que a saída é rezar a Deus e amaldiçoar o diabo.

Continua presa, há um ano e três meses, a moça acusada de mandar matar o marido, milionário da Mega-Sena, na roça de Rio Bonito, Rio de Janeiro. Sem provas e sem confissão. Adriana, ex-cabeleireira, caipira, sem instrução, apelidada de “égua loura”. Ninguém sabe se ela foi mandante do crime, mas nenhum juiz concede habeas corpus para que responda ao processo em liberdade, mesmo sendo ré primária e mãe de duas crianças. Adriana não tem direito à “presunção de inocência”, não tem os privilégios dos homicidas com diploma. Réus confessos, com provas, alguns já condenados, ficam soltos por graça e obra de recursos. Tudo dentro da lei, o pior é isso. Pimenta Neves, que assassinou há oito anos a namorada pelas costas, foi diretor de jornalão de prestígio. Thales Shoedl matou um jovem na praia ao disparar 12 tiros, mas é promotor. Jorge Farah, que esquartejou a namorada em nove pedaços, é cirurgião. Esses três mataram mesmo e estão em liberdade.

Não é fácil escapar da síndrome da notícia ruim. Há leitores e espectadores que exigem sangue na arena. O nojo atiça a conversa. Num país viciado em novelas, o crime de Isabella aumentou absurdamente o ibope dos telejornais. Mas muitos brasileiros já se cansaram do exagero. Talvez sejam a maioria silenciosa. Não é hipocrisia. Existe fronteira entre a cobertura responsável e a dramatização excessiva, típica de países subdesenvolvidos e primitivos.

Negar-se a acompanhar o caso Isabella não nos livra da síndrome da notícia ruim. Saímos das páginas policiais, com os serial killers toscos e cruéis dos assaltos urbanos, e caímos nos escândalos de corrupção.

Na quinta-feira, o advogado Ricardo Tosto, do conselho administrativo do BNDES, indicado pela Força Sindical, foi preso e algemado, acusado de desviar recursos do banco. Se for tudo provado, Tosto faria parte da quadrilha de empresários, servidores, sindicalista, coronel reformado da PM. Tutti buona gente. Tosto se define como bon-vivant, apaixonado por vinhos franceses, charutos cubanos, feng shui e numerologia. Um de seus clientes foi o ex-prefeito Paulo Maluf. A Polícia Federal atirou no que viu e acertou no que não viu. Pensou que os desvios de dinheiro público serviam a tráfico de drogas ou prostituição. Mas era fraude rala mesmo, para embolsar comissões milionárias. O dinheiro era lavado num prostíbulo badalado na capital paulista, que funcionava num flat e traficava mulheres para o exterior. Já se lavou dinheiro de forma mais elegante.

Há tragédia demais no Brasil? Ou não conseguimos, como jornalistas, equilibrar o noticiário com histórias boas e humanas, de superação, como a luta do ex-jogador Casagrande contra o vício, capa elogiada de ÉPOCA na edição passada? Essa aí leva jeito de ter final feliz.

(Ruth de Aquino – Revista Época)

 

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb