39546  ACESSOS

CRÔNICA

 

Viagem intergalática em tempos de globalização

    A tecnologia de hoje nos permite, em algumas horas, estarmos num país distante em outro continente. Ao contrário das viagens de navios em séculos passados, que duravam penosos meses, traçamos milhares de quilômetros no mapa, como se fossem centímetros.

   Vamos para países de cultura totalmente diversa, cenários que nos parecem exóticos, pessoas com biotipo diferenciado do nosso, e, muitas vezes, com idioma que não dominamos.

   Essa experiência tive em 2005, ao conhecer em viagem de turismo, alguns países do leste europeu. O idioma inglês, que cumpre sua função de ser código oficial em tempos de globalização, me era básico. Senti na prática, o quão importante se torna o estudo de uma língua, mesmo que não a admiremos muito, que seja por gosto pessoal, que era meu caso, onde sempre preferi as latinas.

   Chegamos na República Tcheca. Meu marido me deixou por algumas horas. E lá estava eu sozinha, caminhando em Praga, capital daquele país. Só sabia que o som "né" significava: não. Me senti numa viagem intergalática. Um mundo totalmente estranho estava à minha disposição, embora não tivesse acesso total a ele.

   Com meu inglês básico do tipo "cat-dog", entrei numa loja que vende souvenirs. Fiquei tentando me lembrar como se faziam perguntas básicas: qual preço disso? "How much?" Será? Mas em tempos de globalização, me familiarizei instantaneamente. Um som de fundo tocava a música: Xica da Silva. Que maravilha! Estava no Brasil e não me dera conta disso?

   Arrisquei o inglês arroz com feijão, e ri ao perceber que o vendedor também comia do mesmo prato. Mas aquele pequeno fio que nos ligava estava escrito em inglês, alimentado por gestos e a mostra das notas de Coronna, moeda da República Tcheca, na tentativa do que nossos ancestrais faziam muito bem,  um escambo em terras de kafka.

   Saí da loja com alguns presentinhos e a certeza da importância do estudo de uma língua tão fundamental. Gestos, o fraco inglês, um sorriso aqui e ali, me poupariam de passar fome em solo estranho. Conseguiria até hotel, fazer compras, visitar museus, todos têm aparelhos auditivos de tradução;  mas não usufruiria de uma coisa importantíssima quando se faz uma viagem: o convívio, o trocar experiências, participar cultura.

  Mais adiante entrei em outra loja, agora de departamentos, próximo a Wenceslas Square, grande centro comercial. Constatei na maioria dos produtos à venda uma terrível coincidência, a etiqueta de procedência: Made in China.

   Tempos de globalização, pensei, devo incluir o Mandarim em meu repertório. Mas isso é para outra viagem intergalática.

 

Ana Cecília Romeu - Publicitária e escritora

http://anaceciliaromeu.blogspot.com

 

 

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb