38777  ACESSOS

CRÔNICA

Cria Atividade

   Ontem fui ao supermercado. Comprei um quilo de farinha, ovos, escova de dente, meia dúzia de pães e dois litros de criatividade. Quando cheguei em casa, me embriaguei com dez copos daquele líquido cremoso rosado, sentei ao computador e escrevi como nunca. As idéias fluíam. Não havia tela branca sem ser preenchida. As palavras vossiferavam de meu cérebro e saltavam para a ponta de meus dedos, logo emitidos impulsos quase involuntários e dali saiam frases com sentido, que se tornavam parágrafos, e por fim, textos.

   Bom seria se fosse assim, beber bons copos de um elixir adocicado e logo se teria idéias sobre as coisas, sobre o mundo.

   Já li muitos textos perfeitos na linguística e no português, mas sem idéias novas, versando sobre o mesmo. Citações revisitadas, sem personalidade; ou com muitas, mas nenhuma a do próprio autor. Se é para dizer o que já foi dito, e principalmente da mesma forma que já foi escrito, para que fazê-lo então? Li há pouco um artigo, onde a autora fazia citações a todo tempo, o pior, encerrou seu texto, que não era uma tese científica, fazendo uma, sem emitir sequer opinião e sem acrescentar exatamente nada que já não tenha sido dito ou formalizado uma centena de vezes.

   Se você quer falar que a personagem é feia e diz feio, é honesto, mas não é criativo nem literário. Num fluxo de consciência, é possível buscar vocabulário mais amplo, e dizer de forma pouco usual ou inédita: "um sorvete de amendoim seria mais atrativo", "era interessante como acordar cedo numa segunda-feira", "dentro de ambiente fechado com apenas dois homens e ninguém o enxergava". E permitir que o leitor use sua criatividade também para completar a idéia ou inventar outra.

   Criatividade não se compra, se desenvolve, se pratica. É técnica, mas não só. É o liberar da alma. Se o autor se torna seu próprio censor prévio, não conseguirá fluir suas idéias. Faz-se necessário criar uma atividade no cérebro, a "cria atividade", que é a expulsão dos pensamentos e o deixar fluir para a prática. Um  quase bacanal de percepções literárias.

   O pensamento é a única instância onde ainda possuimos total privacidade. Devemos usufruir dessa privacidade e colocar a "cria", nosso próprio cérebro, a fazer atividade. Caminhar na esteira, levantar cinquenta quilos em cada perna. Pois bem, o cérebro tem pernas sim, que nos levam passo a passo para onde quisermos. E ainda, exercitar os músculos da vontade, da liberdade, da emoção.

   Só quem se permite ser livre, poderá ser criativo. E isso não se bebe, não se come, nem se compra; mas se exercita e, principalmente, se liberta.

por Ana Cecília Romeu -  http://anaceciliaromeu.blogspot.com/

 

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb