39215  ACESSOS

CRÔNICA

 

Consumismo e solidariedade no Natal

por Joselma Noal - Escritora, professora universitária

O último mês do ano chega rapidamente e deste modo também se despede, ou melhor, nem se despede, sai à francesa. Gosto do ritual de montar a árvore de Natal, em companhia da minha filha, repetir os mesmos gestos do alcançar ou pendurar os enfeites como fazia com minha mãe, em tempos em que as bolinhas quebravam e o cuidado, portanto, deveria ser redobrado. Aprecio a mesa da ceia bem enfeitada, tento compor cores, adornos e organizar os pratos como fazia a minha avó, nos Natais que marcaram minha infância. Continuo adorando a figura do Papai Noel e apreciando os presépios. Só permaneço sem entender o consumismo abusivo.

Quando se é criança, imagina-se que basta pedir o presente, escrever a tal cartinha pro Papai Noel, que ele providenciará os pedidos. Hoje, até mesmo as crianças devem ser alertadas de que o bom velhinho têm muitos meninos para presentear e não conseguirá atender a todos os desejos. Não há tempo, nem duendes suficientes trabalhando para dar conta de uma lista imensa de cada criança.

Despertar a noção de solidariedade é fundamental na educação infantil. Os pais deveriam educar neste sentido. Abrir os armários, ao menos duas vezes ao ano, e verificar do que realmente se precisa e se faz uso deve ser um hábito da família, inclusive dos pequenos. Incentivar os meninos a identificar os brinquedos com os quais não brincam, e acostumar-se a doar a quem precisa. Muitas famílias estimulam o egoísmo, muitos pais materialistas educam seus filhos nesta cartilha e a sociedade se transforma num caos de desigualdade social.

O Natal talvez seja o melhor momento para educar em um sentido cristão. E ocorre justo o contrário! O apelo do comércio se intensifica, muitas propagandas direcionadas ao público infantil, principal foco para sensibilização à compra. E os pais, cujo desejo é alegrar seus filhotes, compram compulsivamente. A alegria poderia vir por meio de outros gestos, que não só o da compra. Não me interpretem mal, também gosto de presentear minha filha. Me refiro à compra excessiva, àquela criança que suspira por algo na vitrine e logo encontrará sobre sua cama o tal objeto. Esta geração de pais, da qual faço parte, embora tente questionar o meu papel, é permissiva em relação a tudo. A tal falta de limite ocorre também na lista de Natal.

Nada contra presentear, mas nada de exageros. E uma boa limpeza no armário, em qualquer faixa etária, faz muito bem. Ensinar um filho a ser solidário, a ler e a escolher uma carta dirigida ao Papai Noel nos Correios para fazer-se de bom velhinho é muito mais importante do que ensiná-lo a escrever a própria carta ao Papai Noel.

A fantasia de acreditar no velho barbudo é linda e não deve ser desfeita, mas nada impede que seu filho aprenda um pouco sobre solidariedade em dezembro e aplique durante todo o ano a lição aprendida. Selecionar os brinquedos para doação pode ser um bom começo!

(fonte Zero Hora)

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb