38792  ACESSOS

CRÔNICA

 

Remendar por não prevenir

por Paulo Vellinho - empresário

 

Entre os piores vícios de nossa cultura em geral, e de um modo particular a política, está o de ignorar o velho e sábio ensinamento de que é melhor prevenir do que remediar. Na educação, na saúde e na gerência da coisa pública, então, essa tendência mostra-se desastrosa, porque compromete, permanentemente, o futuro. A maioria dos que são colocados no poder, num voto também pouco consciente, não dá importância se as medidas demoram a dar resultado. Tudo aquilo que excede a visão de um mandato de quatro ou cinco anos, na ótica míope de alguns políticos, não gera dividendos, deleta-se. A prevenção sempre é menos ruidosa que a correção gerada pela imprevidência anterior, barulhenta e agitada, apesar de nunca apontar culpados porque "não se pode governar pelo retrovisor". Ou seja, evita-se até aprender com o erro.


    O remendo tem mais valor. O caso da reserva de vagas para alunos de escolas públicas e universidades, pelo critério da cor ou raça, é bem sintomático. De um modo geral, os mais pobres, alguns com deficiências mentais decorrentes da má nutrição, independentemente do tom da pele, saem do Ensino Fundamental público com sérias limitações de aprendizado, pela péssima qualidade do aprendiz, bem como, em muitos casos, do Ensino Fundamental, de professores mal remunerados e até despreparados ou desmotivados. O que fez o gestor público? Como esses alunos com carências de aprendizado são muitos em termos quantitativos, nada como conquistar popularidade criando reservas para eles em cursos superiores. Em alguns casos, e são muitos, pode dar certo - o ser humano consegue se superar - e serão usados como acerto da medida. A solução mágica, entretanto, vai diplomar brasileiros em condições inferiores, na disputa de oportunidades de trabalho, com aqueles de formação básica mais sólida. Os demagogos dirão que isto é conseqüência da discriminação das elites.


    Talvez surja dentro de pouco tempo uma nova "mágica" para superar esta questão prática: a obrigatoriedade de empresas e órgãos públicos reservarem vagas para cotistas. Cai a produtividade do setor privado, ou os governos serão os grandes absorvedores dessa mão-de-obra, piorando ainda mais seus serviços. O Brasil, a exemplo de seus planos econômicos heterodoxos, vai na contramão do que fizeram os países desenvolvidos e os que tiveram sucesso recente. Estes, como a Coréia do Sul e a China, encontravam-se em situação pior que a brasileira e seus excluídos passaram a desfrutar da prosperidade com forte investimento na saúde física e mental, criando oportunidades iguais, a partir da educação básica, o alicerce do conhecimento.

   Aqui, a imprevidência foi praticada em toda a sua dimensão: indivíduos incapazes de absorver o conhecimento, por problemas físicos ou educacionais, serão um ônus permanente para a sociedade e alvos fáceis de demagogia. Com certeza, a prática enganosa do remendo não será mais necessária na hora em que o homem que existe apenas como ser biológico com limitações físicas e mentais, for substituído pelo cidadão em sua plenitude.


    Espero sinceramente que um dia o brasileiro se constitua no principal objetivo da nação, e conseqüentemente sua maior riqueza.


    Enquanto isso não acontecer, remenda-se por não ter prevenido
.

 

(fonte: Zero Hora)

 

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb