39551  ACESSOS

CRÔNICA

O futebol e os brasileiros

por Bruno Fabrício Cruz - advogado

É em época de Copa do Mundo, quando o Brasil se veste de verde e amarelo para torcer por sua Seleção, que percebemos as sutis diferenças entre os povos de cada país, e como o brasileiro é uma gente diferenciada. O nosso futebol expressa a própria personalidade de nossa população. A habilidade de Robinho e Kaká com a bola demonstra a mesma destreza com que sobrevivemos em um Estado com políticos desonestos, falência da saúde pública, alta criminalidade etc.

O brasileiro, apesar de todos os problemas que o acometem, de fato, não desiste nunca. E isso porque os desafios servem para serem superados. Nossa gente é criativa, batalhadora, auspiciosa, em sua maioria. Possuímos uma visão de vida diferente dos demais países. Perto de nós, alguns povos são quase ingênuos, inocentes, e isso se reflete no futebol.

Romário deixou os adversários tontos em 1994, com suas jogadas rápidas e eficientes, quando conquistamos o tetracampeonato mundial. Igualmente Ronaldo, em 2002, com o penta, principalmente na final, quando derrotou o inabalável goleiro da Alemanha com dois lindos gols. O fantástico Pelé, nas Copas de 1958, 62 e 70, driblando os jogadores das outras equipes como se estes fossem amadores em campo. Esses craques da bola vieram de baixo, eram pobres, mas tinham características excepcionais. Sobressaíram no futebol e ascenderam para uma condição econômica almejada por muitos. Eles são, com certeza, os nossos heróis. Exemplos de que a situação quando do nascimento não determina o destino de ninguém. Não eram soldados, mas lutaram em uma espécie de guerra. Assim como a Copa do Mundo é um conflito simulado de nações.

Tenho que o futebol é uma distração, um esporte para entreter as massas, como as lutas de gladiadores na Roma antiga. Porém, diferentemente daqueles guerreiros, no futebol toda a nação está torcendo por aqueles jogadores de uniforme canarinho, que, efetivamente, estão representando a pátria. No campeonato mundial, o torcedor não está comemorando os problemas sociais do Brasil. Está, sim, celebrando a vontade de vencer de nosso sofrido povo. As coisas boas que o Brasil possui – com efeito, temos muitas. E aqui está a íntima relação do brasileiro com a sua Seleção. Mesmo para aqueles que não acompanham o futebol, a respeitada camisa amarela sempre será sua identificação em qualquer lugar do mundo.

Os demais povos sentem simpatia pelo brasileiro, seja na Itália, no Canadá, ou no Afeganistão. Em todos os lugares do planeta, a primeira coisa que sempre ouvimos é: Pelé, Ronaldinho, Kaká. E isso não é motivo de vergonha, pelo contrário, devemos ter orgulho de nosso talento em campo, a marca do carisma de nosso povo. Precisamos do futebol, é o nosso incentivo para trabalhar a cada dia e, para muitos, a única alegria. Coitados daqueles países que não possuem uma seleção como a nossa.

É por isso que nesta Copa do Mundo, mesmo não entendendo muito desse esporte e não gostando da escalação do Dunga, vou torcer entusiasmado pela Seleção Brasileira.

Fonte: jornal ZERO HORA

 

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb