38792  ACESSOS

CRÔNICA

 

Tiririca da vida com o resultado das eleições?

     Se eu tivesse poder para isso eu colocaria na urna eletrônica uma foto do Sílvio Santos com a pergunta “Você está certo disso?”, antes do eleitor apertar o botão verde do “confirma”. Tudo bem, mas não seria mais prático colocar apenas um “ok?”, “sim” ou “não” como faz o Windows? Parece que seria pouco, pois, até na hora do voto, grande parte dos eleitores achou nessas últimas eleições que ele é uma brincadeira, uma piada.  De muito mau gosto por sinal, que muita gente achou graça por ter eleito o seu babaca da vez.
     Outra, pra que questionar o “confirma” de alguém? Afinal alguns candidatos babam pelo voto dos eleitores como carnívoros famintos diante de presas desprotegidas. Pra que colocar em dúvida um último momento de escolha? Afinal, perguntar é pensar e pensar é perigoso. Já pensou que perigo se todos parassem para pensar e avaliarem melhor seus votos? Temos dois lados: o povo que não pensa por preguiça e os candidatos predadores que vêem no fato do eleitor pensar um problema. É melhor pensar na Fazenda, na Passione e na bunda da mulher fruta.
     É frustrante ver que ainda temos muito de evoluir como eleitores. Precisamos eleger competentes. Às vezes ouço pessoas dizerem que votam no fulano e no ciclano porque ele é bom. Não precisamos de representantes políticos bons. Precisamos de pessoas competentes.  Se eles são bons, que sigam vida religiosa, sejam padres, freiras, pastores e ativistas em ONGs. Precisamos de pessoas que entendam de leis, de economia, que tenham noções de administração e de gestão e que, assim, possam defender os direitos de todos com qualidade.
     Temos uma mentalidade no país que desacredita na política. Ela geralmente não é vista com bons olhos. No entanto, é ainda a forma mais pacífica de lutar pelos direitos. Ou é ela ou é a guerra. Ainda é triste de ver a quantidade de falidos que vêem na vida política uma oportunidade para acender economicamente, sair da merda ou arrumar uma barbada, como escutamos na rua. É lamentável o asco que as pessoas têm pela propaganda eleitoral e a falta de curiosidade em saber o que cada candidato pretende fazer, no que ele acredita etc. É um saco as pesquisas pensarem os resultados por mim e por ti e ter gente que não se dá o direito de escolher outro candidato sem se basear nelas. Por favor, para as próximas eleições, coloquem o Sílvio Santos na urna perguntando “Você está certo disso?”.
 
Autor: Anderson Borba, 26 anos, de Camaquã/RS
 
 
Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb