39546  ACESSOS

CRÔNICA

 

 

Mais sombra e menos água fresca

LETICIA WIERZCHOWSKI - ESCRITORA

 

Enquanto escrevo, três prédios crescem nas adjacências da minha janela… Eu venho pranteando o desaparecimento do meu pedaço de céu faz tempo, mas ainda não me conformei completamente, nem nunca vou me conformar com a verticalização desenfreada do meu bairro, e de toda a Porto Alegre (confesso aqui que o meu pedaço de Guaíba foi-se há três anos).

 

Eu não sou contra o progresso. Como certa vez escrevi, eu mesma moro num prédio de 14 andares. Em algum tempo, nesse terreno deve ter existido uma bela casa, com aqueles velhos quintais cheios de árvores, um portão que rangia, e cachorros – até que, um dia, a casa cedeu vez ao prédio onde vivo. Mas o que vem acontecendo hoje em dia é um assassinato. Ruas pequenas completamente descaracterizadas por construções altíssimas – onde antes vivia uma família, hoje vivem 60. E seus carros trilham a mesma ruazinha de paralelepípedos, e seus dejetos domésticos seguem pelo mesmo sistema de esgoto de outrora. Resultado: ruas congestionadas e mal-cheirosas, ensombreadas e úmidas, porque os prédios proliferam sem controle. Belas casas desaparecendo como por encanto, e cada prédio novo cada vez mais alto, cada vez mais alto… O Moinhos de Vento e suas adjacências vem sendo descaracterizado de modo grosseiro. Daqui a 10 anos não reconheceremos mais as ruas da nossa memória, já que Porto Alegre me parece ter entrado num processo sem volta.

 

Em tempo de eleição municipal, eu sou a favor daquele candidato a prefeito que for mais cuidadoso com o nosso plano diretor. Aquele que respeitar e mantiver o maior número de Áreas de Interesse Cultural e que limitar mais ferozmente a altura dos novos prédios. É verdade que o progresso urge, mas progredir não é destruir, como todos sabemos, e o planeta vem nos mostrando com desespero. E fico eu aqui com essa saudade do que já foi, olhando pela janela a minha ruazinha deturpada, menos gritos e risos de crianças e mais retroescavadeiras rompendo a pasmaceira das três da tarde. Dia desses, enquanto eu sonhava com a ruazinha da minha infância, onde a gente brincava de sapata até a mãe nos chamar para o banho, surge meu filho e me pergunta: “Mãe, como é um carteiro? Eu nunca vi um na minha vida.” Ai que saudade da minha casa lá na Rua 24 de Junho, e do carteiro que era sempre recebido com um copo de água fresca.

 

(fonte: Zero Hora)

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb