38792  ACESSOS

CRÔNICA

 

Tribo nossa de cada idade

   Mata fechada, tempo quente e úmido, bichos pesonhentos, insetos, e você sentado em cima de uma rocha. Como um nativo isolado, ouve cascata ao longe, o grito dos macacos e nada mais. Olha para o céu, e árvores centenárias encobrem sua visão. Para os lados, e mais ninguém.

   É assim que o adolescente se imagina, na maioria das vezes como um índio sozinho. É como se a natureza toda conspirasse contra, impedindo uma atenção privada, uma companhia. Fossemos o último ser humano a alguém dar valor, ou perceber. Queremos compreensão, alguém que nos escute, e nos diga coisas interessantes que nos deixem calados. E a única solução para esse dilema solidão-atenção, parece ser participar de uma tribo.

   Fui adolescente nos anos 80. Tempo de muitas cores e new wave. Tudo era rosa choque e verde limão, ombreiras, Madonna e cubo mágico. Consegui algumas coisas na vida, mas jamais concluir esse maldito jogo do cubo, grande frustração. Aí apareceram as tribos dos darks, que se vestiam de preto e cultuavam a tal pós-modernidade; e também os góticos - do fantástico, misterioso e sinistro. Não foram poucas as vezes em que me vesti toda de preto, com correntes prateadas no pescoço e grande crucifixo.

   Hoje acho graça de tudo isso. E quando me deparo com o aparecimento de novas tribos, Emo, coloridos..., mesmo que a proposta seja bem diferente, me sinto de volta ouvindo The Smiths, lendo Keats e Yeats, usando preto, batom vermelho e esperando semana toda pela balada no Ovo de Colombo, e que o cara do blusão com a letra "A" me olhasse. Alberto, Alexandre? Nunca soube o nome dele.

   O tempo vai seguindo seu rumo, mas as tribos nunca acabam em nossa vida. Se você pensar um pouquinho, e não precisa muito, vai perceber que pertence atualmente a alguma tribo,mesmo que não seja mais um adolescente. Pensei por alguns segundos, não mais que isso, e me declarei oficialmente como índia da tribo: "corredores atrás da máquina".

    Entenda-se por "máquina", tudo aquilo que nos motiva, impulsiona, realiza. Corro todos os dias atrás da felicidade; dos projetos pessoais e os da família; do trabalho; de uma vida melhor para minha filha, o que me leva a correr atrás de coisas materiais também, e até mesmo do relógio. Preparo meus músculos para aguentar essa maratona, pois pela lógica, quanto mais tentar, mais chances tenho de conseguir; mesmo que isso implique em cansaço e fadiga.

    Lembro-me com saudades das minhas antigas tribos, como era bom quando a idade não nos cobrava resultados. Já era válido apenas participar de alguma coisa, como celebridades do bairro ou da danceteria, na procura apenas por elogios e atenção. Se você cantasse, era pelos aplausos, talvez não para gravar um disco.

   Índia da tribo de ontem, vestindo preto e correntes prateadas. Hoje, correndo atrás da máquina. Mas sempre com a certeza de que nunca estive sozinha, até porque, em nenhuma parte do mundo, ou do tempo, existiu tribo de um índio só.


Ana Cecília Romeu

Publicitária e escritora

http://anaceciliaromeu.blogspot.com

 

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb