38777  ACESSOS

CRÔNICA

 

Por trás do trema

por Marcelo Rocha, professor universitário

     Por mais que os defensores do acordo ortográfico entre os países lusófonos desfiem seus elaborados argumentos, a reforma proposta na língua portuguesa, principalmente no Brasil, escorrega, outra vez, na incompreensível falta de contato dos especialistas com os milhões de brasileiros que se utilizam do idioma como recurso diário para resolução de seus problemas.

     O curioso é que, se, por um lado, os usuários da internet, majoritariamente jovens, estão cada vez mais afeitos ao netspeak, ou a língua da rede, como destacam os lingüistas (ainda com trema), o acordo ortográfico preocupa-se em derrubar o acento diferencial de pêra (fruta) e pera, preposição arcaica que nem Coelho Neto usava mais no fim do século 19. Além disso, a incorporação ao alfabeto das letras K, W e Y soa um tanto ultrapassada, uma vez que a maioria das pessoas já utiliza, em seu quotidiano, palavras como karaokê, web, ou ainda, yuppie ou Yin e Yang, para citar alguns exemplos. Sem falar nos nomes próprios cuja criatividade brasileira mostra-se sempre muito prolífica, especialmente na mistura de línguas e nas homenagens a atores e localidades estrangeiras.

     É evidente que a questão política, subjacente a esse acordo, é um ponto que não deve ser desconsiderado. Estima-se que a língua portuguesa tenha em torno de 250 milhões de falantes nativos e isso significa uma potencialidade de investimentos em intercâmbios econômicos e relações internacionais. No entanto, mesmo essa perspectiva é polêmica. Alguns autores africanos contemporâneos, por exemplo, consideram a língua falada em Portugal como um instrumento imperialista, haja vista a colonização imposta até a Revolução dos Cravos, e buscam em seu idioma características que acentuem suas diferenças e, sobretudo sua identidade. À parte disso, os livros de Saramago, que mantêm a grafia portuguesa, conforme exigência do autor, nunca foram empecilho para o seu sucesso, revelado em generosas tiragens, ainda em países onde se lê pouco, como no caso do Brasil.

     Não custa lembrar que, no mesmo percurso onde se fixam os pedágios da imposição lingüística, seja por acordo ou por regras gramaticais absurdas, há rotas alternativas. O apreciado futebol, por exemplo, que, estampado no distintivo do glorioso Grêmio ainda está designado como foot-ball, tentou ser traduzido por ludopédio, expressão que não se consagrou popularmente. O mesmo aconteceu com o galicismo touriste cuja tentativa de equivalência por ludâmbulo, igualmente não vingou.

     Falta aos reformadores a consciência de que o problema maior está mais na semântica que na ortografia. Pesquisas recentes do Inaf mostram que a maioria dos brasileiros (68%) que estudaram até a quarta série atinge um grau rudimentar de alfabetização. Somos, infelizmente, um país de analfabetos funcionais. E essa situação não será resolvida com acordos de cunho político descontextualizado das realidades locais, mas com incentivos a programas de leitura e propostas de utilização da língua como um bem comum. Do contrário, as pessoas terão de aceitar o fim do circunflexo nas terceiras pessoas do plural do indicativo e do subjuntivo, sem ao menos saber que influência isso terá em sua vida e tampouco saber o que é um circunflexo.

(fonte: Zero Hora)

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb