39215  ACESSOS

CRÔNICA

 

O SENHOR DO ANEL

Olhem só a notícia que apareceu, dias atrás, aqui em ZH. Na Nova Zelândia, o ambientalista Aleki Taumoepeau (o pessoal lá tem nomes complicados, mas, provavelmente, devem dizer a mesma coisa de nós) trabalhava no porto de Wellington quando sua aliança de casado caiu no mar, que ali tem três metros de profundidade. Aleki marcou o lugar com uma âncora e prometeu à mulher que encontraria a aliança, o que de fato aconteceu três meses depois, e valeu-lhe, entre os amigos, o apelido de Senhor do Anel, uma referência ao livro e ao filme O Senhor dos Anéis.

Isso nos faz pensar no simbolismo do anel de casamento. É uma coisa que vem de longe, dos antigos hindus e dos antigos gregos. Os romanos introduziram o hábito de colocá-lo no anular do qual, acreditava-se, partia uma veia (veia d’amore, em italiano) que estaria diretamente ligada ao coração.

Bota simbolismo nisso. Um simbolismo que se ampliou quando a Igreja adotou a aliança como um símbolo de união e fidelidade.

***

A própria forma da aliança explica esse simbolismo. Pode ser considerada uma algema em miniatura, como dizem os inimigos (não poucos) do casamento, mas mais provavelmente é vista como o elo de uma corrente da qual fazem parte o noivo e a noiva, o marido e a mulher. Mais do que isso, por causa de sua forma circular, remete-nos ao ciclo da vida, no qual a união entre dois seres é um momento importante.

Será que essas coisas explicam a determinação de Aleki? Será que ele valorizava tanto assim seu casamento? Ou será que se tratava apenas do desafio, de encontrar a aliança de qualquer maneira para mostrar à esposa e aos amigos sua determinação? Ou ainda, quem sabe ele era movido pelo fato de que a aliança, afinal, é um objeto de valor, confeccionada em ouro? Ou, finalmente, será que é uma soma de tudo isso, e de mais alguns fatores que desconhecemos?

***

Questão complexa, como complexo é o casamento. O que aproxima um homem de uma mulher levando-os a uma união que, teoricamente ao menos, deveria ser duradoura? O amor? Mas existem casamentos sem amor. Existem casamentos que resultam de interesses, de pressão familiar e que, ainda assim, funcionam. E mesmo que fosse o amor – é só o amor? Não é o hábito, o costume, a cumplicidade?

Há uma outra questão aí, muito mais embaraçosa. Por que uma pessoa perde a aliança? Por acidente, por descuido? Será que é só por isso? Ou será que o acidente, o descuido, são expressões de um impulso inconsciente, como o lapso freudiano? A mulher que perde a aliança está condenada a perder o marido, diz-se na Escócia. Condenada a perder o marido – ou pronta para livrar-se do marido? Será que perder a aliança (este “perder” podendo significar “jogar fora”) não revela já uma oculta predisposição para acabar com o casamento?

***

O Aleki poderia não ter perdido a aliança – se ele não usasse aliança. Muitos casais fazem isso. Podem até ter a aliança, mas guardam-na em casa. De novo, pode-se perguntar o que leva casados a não usarem a aliança. A explicação que eu prefiro é aquela que remete à maturidade: não precisamos de nenhum símbolo material, se estamos seguros de nossos sentimentos, de nossas opções, sem que seja necessário demonstrá-lo publicamente. E sem que seja preciso mergulhar no mar em busca de alianças perdidas.

Fonte: Moacyr Sclir para Zero Hora

 

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb