39215  ACESSOS

CRÔNICA

 

ARTIGOS

O eu invisível

por Eneida Marques - Terapeuta familiar

   Na comédia romântica A Mulher Invisível, com a direção de Claudio Torres, a atriz Luana Piovani vive o papel de Amanda, a mulher que Pedro (Selton Mello) idealizou na tentativa de solucionar uma devastadora dor de cotovelo, após o término de seu casamento.

   O que diferencia a obra de Torres é a sutileza bem-humorada com que expõe uma das grandes questões a respeito do amor: a paixão.

   O Dia dos Namorados estimula algumas reflexões dirigidas aos apaixonados e aos que sofrem a dor de uma paixão mal correspondida.

   Pedro, no fundo do poço, onde foi parar após ser abandonado pela esposa, projetou em Amanda – a vizinha – qualidades, encantos e virtudes que só ele percebia. Amanda, na sua fantasia, habitava seu pensamento, como se fosse real.

   A comédia parodia uma realidade entre nós. É comum nos apaixonarmos e projetarmos em nosso escolhido aquilo que queremos ver, o que desejamos que ele/ela seja.

   No mais das vezes, esquecemos que nosso amado é um ser humano com qualidades, encantos, virtudes e fragilidades. A paixão nos faz olhar para aquilo que queremos ver nele, ampliando nossa sensação de bem-estar, euforia e excitação.

   O ser apaixonado, na visão da psicanálise, vive a situação através de um mecanismo inato, chamado projeção. Na paixão, projetamos algo de nós – nossos desejos mais inconscientes. Nos apaixonamos, assim, por uma imagem, uma idealização, por algo inerente a nós, mas que atribuímos ao outro.

   A mulher/homem invisível é, primordialmente, o nosso “eu invisível”. Algo em nós que não percebemos ou não valorizamos devidamente e que projetamos. Como se, apenas, o outro fosse um ser tão especial.

   Ao entendermos as “divinas e fascinantes” qualidades que concedemos ao amado, passamos a compreender o que, verdadeiramente, buscamos nele. E, também, passamos a reconhecer as qualidades e circunstâncias que integram a nossa própria personalidade.

   Desta forma, a relação amorosa é vivida entre dois sujeitos, seres completos e não divididos. Ao invés de sermos uma metade em eterna busca de algo, passamos a ser inteiros. Sem jogarmos a responsabilidade de nossa felicidade e completude na mão do outro. Assim, estamos prontos para amar.

   O psicanalista Contardo Calligaris faz referência a um interessante impasse na dinâmica dos apaixonados: para manter a paixão, devo continuar idealizando o parceiro. Mas, para idealizá-lo, preciso manter certa distância. Se o mantenho à distância, renuncio aos prazeres do amor, companheirismo, cumplicidade e convivência. Apaixonar-se – na rica inspiração do autor – é idealizar o outro; durar no amor é lidar com a realidade do amado ou da amada.

   Feliz Dia dos Namorados!

 

Fonte: Zero Hora online

 

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb