39546  ACESSOS

CRÔNICA

 

Neocaipiras

por Luis Ferando Verissimo

– Ué, cumpadre. Você por aqui?

– Pois é, cumpadre.

– Você não ia viajar neste verão?

– Ia, cumpadre. Aliás, já fui.

– E já voltou? Pensei que você fosse dar a volta ao mundo.

– E dei.

– Mas assim, tão rápido?

– Sabe como é, cumpadre. O tal de dólar subiu e... Tive que mudar meus planos.

– Não foi ao Peru?

– Fui à galinha. O Peru ficou muito caro.

– Não conheceu Lima?

– Só um gomo. A Lima estava muito cara.

– E o tour pelas Bermudas?

– Muito caro. Fizemos um giro pelo Calção.

– Não foi a Pago-Pago?

– Estava muito caro-caro. Fiquei em Cobro-Cobro.

– Cobro-Cobro, cumpadre?

– Fica perto de Devo-Devo.

– Chegou a ir a Honolulu?

– Só a Hono.

– O lulu...

– Ficou de fora.

– Cê ficou com o lulu de fora, cumpadre?

– Pra você vê, cumpadre.

– Foi a Cingapura?

– Só a Cingamisturada. A pura era mais cara.

– E a China?

– A China eu fui. Parece São Paulo, né?

– Por que, cumpadre?

– Assim de japonês.

– E viram a Grande Muralha?

– Só a Pequena Cerca. A Grande Muralha era mais cara.

– Cantão?

– Cantinho. Depois fomos a Aquarela.

– Aquarela, cumpadre?

– Podia escolher entre Nanquim e Aquarela...

– E Nanquim era mais caro, sei. Continua.

– Paquistinho...

– Em vez de Paquistão, certo.

– Afeganistinho.

– Em vez de Afeganistão, claro. E voltou pelo Oriente Médio?

– O Oriente Pequeno. O Médio era mais caro.

– E o Oriente Tamanho Família, então, nem pensar. Viu o Mar Morto?

– Já tinham enterrado.

– E o Rio Amarelo?

– Esse eu vi.

– E o Mar Vermelho?

– Vi.

– E a Gruta Azul?

– Também vi. Mas tudo em preto-e-branco.

– Cumpadre, por que nós tamo falando assim, feito caipira?

– Porque o dólar baixo faz a gente pensá que é rico, viajá, se sofisticá e descobrir o foie grá e depois o dólar sobe e a gente se dá conta do que é. Caipira mesmo.

– Chô égua, seu.

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Curiosidades sobre o Rio Grande do Sul
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb