39194  ACESSOS

CRÔNICA

 

“É O MEU RIO GRANDE DO SUL,

 

CÉU, SOL, SUL, TERRA E COR...”

 

 

É o Estado que se situa no extremo sul do Brasil, com 282.184 km²  trabalham e vivem mais de 9 milhões habitantes, que pela sua produtividade, constituem fator verdadeiramente importante da grandeza econômica do país.

 A colonização do Rio Grande do Sul foi feita por elementos paulistas, portugueses e espanhóis, que, em 1715, participando de uma entrada, chefiados por João de Magalhães, fundaram as primeiras estâncias. Só mais tarde foram iniciadas a colonização alemã e italiana. A primeira por ordem de D.Pedro I, na região de São Leopoldo, e a última, já por ordem de D.Pedro II, na então chamada colônia do Conde d’Eu, transformada hoje, no conhecido município de Garibaldi.

Graças ao clima e à operosidade do povo, é o Rio Grande do Sul um Estado, que representa papel importante na economia nacional. Assim, na agricultura, onde a influência européia se faz sentir de um modo marcante, produz o arroz, que ocupa lugar de destaque na economia e que é proveniente de lavouras irrigadas; o milho, produzido em grandes safras, que além de satisfazer as necessidades básicas da alimentação humana, é ainda utilizado na criação de animais. Ainda o fumo, quase todo destinado à produção de cigarros e que se vem desenvolvendo desde meados do século passado, tendo superado a produção baiana, para tornar-se um dos pontos alto da economia do Estado. O trigo é cultivado em pequenas áreas, assim como a batata e o feijão. A cultura de frutas européias desempenha grande avanço financeiro na região. Algumas dessas áreas dedicaram-se à produção de vinho, que possui excelente aceitação. É tradicional, nessas áreas, a famosa Festa da Uva, realizada principalmente em Caxias do Sul, Bento Gonçalves e Garibaldi.

 

ORIGEM DO CHIMARRÃO

A tradição do chimarrão é antiga. Soldados espanhóis aportaram em Cuba, foram ao México "capturar" os conhecimentos das civilizações Maia e Asteca, e em 1536 chegaram à foz do Rio Paraguai. No local, impressionados com a fertilidade da terra às margens do rio, fundaram a primeira cidade da América Latina, Assunción del Paraguay.

 Os desbravadores, nômades por natureza, com saudades de casa e longe de suas mulheres, estavam acostumados a grandes "borracheras" - porres memoráveis que muitas vezes duravam a noite toda. No dia seguinte, acordavam com uma ressaca proporcional. Os soldados observaram que tomando o estranho chá de ervas utilizado pelos índios Guarany, o dia seguinte ficava bem melhor e a ressaca sumia por completo. Assim, o chimarrão começou a ser transportado pelo Rio Grande na garupa dos soldados espanhóis.

 As margens do Rio Paraguai guardavam uma floresta de taquaras, que eram cortadas pelos soldados na forma de copo. A bomba de chimarrão que se conhece hoje também era feita com um pequeno cano dessas taquaras, com alguns furos na parte inferior e aberta em cima.

 

Fonte: www.sulmix.com.br

 

A convivência galponeira é tão tradicional no Rio Grande do Sul, que na fazenda Boqueirão, em São Sepé - RS, um fogo de chão é mantido aceso há mais de 200 anos. A chama acesa arde constantemente num galpão com estrutura datada de 1818, tornando-se hoje centro de romarias nativistas e tradicionalistas.

 

Fonte: www.galpaovirtual.com.br

 

 

 

 

Dentro de um abraço, de Martha Medeiros
Espelho mágico
Ele é mesmo imortal
Pastelzinho de amanhã
Tribo nossa de cada idade
Viagem intergaláctica
Quindim e merengue
Cria Atividade
A tristeza permitia de Martha Medeiros
Tratado sobre a paixão literária
O bate-estaca do Chevettão 75
Francamente, senhor Wilde
Tragédias anunciadas
Brincando de Blog
Coitadinhos dos nossos ouvidos
O amor deixa muito a desejar, por Jabor
Garota de Subúrbio
Tiririca da vida?
Para se roubar um coração
Saudade nenhuma de mim
O futebol e os brasileiros
Por uma vida sustentável
Alunos apáticos, escola idem.
Os desafios da biblioteca na nova escola
35 Anos para Ser Feliz
Complexo de Guaipeca, por Carpinejar
A falta que ela me faz
Lya Luft e o ano de pensar
A elegância do comportamento
Um homem que educava pelo exemplo
Antes que a Feira do Livro desapareça!
A Última Crônica
Uma homenagem aos professores
Dos oito aos oitenta
Mais uma de Arnaldo Jabor
Algumas piadas para adoçar a vida!
Exigências da vida moderna
Moacyr Scliar: O Senhor do Anel
Sumiço de Belchior
Sentir-se amado, de Martha Medeiros
Histórias de bichos e de livros
David Coimbra, o fusca e o frio
OS 100 ANOS DO GRE-NAL
O eu invisível
O Avião
Marias-gasolina, por Martha Medeiros
O bem e o mal da internet
A língua em todas as disciplinas
A formação do cidadão
A mentira liberdade
O bom professor
O papel da escola e dos pais
O que ensinar nas aulas de Português
Beijo na boca de Martha Medeiros
Neocaipiras - de L F Verissimo
Consumismo e solidariedade no Natal
Como lidar com o diferente
Solidariedade e egoísmos
Os talentos em sala de aula
Os casamentos na praça dos livros
A maldição da norma culta
O curso de datilografia
Os pais são os culpados
Papéis invertidos
Professor de qualidade para todos
Pense nos seus professores
Uma vida de presente
Alma galponeira e peregrina
Educação ou dissecação?
Mais sombra e menos água fresca
A neutralidade como dever
As três irmãs
A vírgula - por Martha Medeiros
Avaliação não é ameaça
Somos sempre aprendentes
A reforma ortográfica
Humor: filho estudante escreve p/ pais
Crônica do amor, por Arnaldo Jabor
Tive uma idéia!
Remendar por não prevenir
Meu zeloso guardador
Não sorria, você está sendo filmado
A síndrome da notícia ruim
Mulheres do século XXI
Quase
A professora e a justiça
O universitário e o frentista
 
Roger Tavares - Todos os direitos reservados © Desenvolvido por iPoomWeb